Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Edwiges Parra Psicóloga organizacional, especialista em recursos humanos e fundadora da EMIND Mente Emocional

Precisamos falar sobre saúde mental no trabalho

Há cada vez mais pessoas deprimidas, estressadas e ansiosas. Entenda por que a crise econômica piora ainda mais esse cenário

Por Edwiges Parra, colunista de VOCÊ S/A 19 fev 2020, 12h00

A psicologia está ganhando muita relevância neste mundo da Quarta Revolução Industrial (ou Nova Economia). Essa ciência cognitivo-comportamental – que estuda, entre outras coisas, o pensamento, a personalidade, os sentimentos e as sensações físicas provocadas pelas emoções – é indispensável para os tratamentos de saúde mental, um tema sobre o qual nunca se falou tanto.

O assunto começou a ser discutido no mundo corporativo em 2017, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou uma campanha mostrando que as empresas são responsáveis por promover a saúde mental dos funcionários. Desde então, a preocupação com o tema tornou-se presente em eventos e congressos do mundo todo.

Tanto que, no ano passado, o Fórum Econômico Mundial debateu o assunto e mostrou que os problemas de saúde mental custaram 2,5 trilhões de dólares globalmente (devido à queda de produtividade, aposentadorias precoces e despesas com tratamentos médicos).

Aqui no Brasil, o INSS concedeu mais de 74 000 benefícios por afastamento no trabalho a pessoas com diagnóstico de transtornos de ansiedade nos últimos dois anos. A Organização das Nações Unidas (ONU) ressalta que alguns dos principais fatores de risco para saúde mental dos profissionais são assédio (moral ou sexual), bullying, excesso de trabalho, jornadas inflexíveis e ameaças de desemprego, por exemplo.

Trazendo a perspectiva global, mais de 300 milhões de pessoas sofrem com a depressão, principal causa de incapacidade. Além disso, mais de 260 milhões vivem com transtornos de ansiedade. Muitas dessas pessoas vivem com ambos os transtornos, de acordo com a OMS.

  • Relacionadas
Continua após a publicidade

O impacto da crise econômica

No Brasil, há um fator que aumenta os problemas de saúde mental: a crise econômica. Sentir-se assombrado pelo desemprego tornou-se um gatilho responsável para disparar sintomas ligados ao estresse e ansiedade. A crise tem sido um estopim para acionar e vivenciar a situação gatilho o tempo todo. Além disso, muitos enfrentam altas doses diárias de emoções como medo, angústia, frustração, receio, raiva, desmotivação, descontentamento e desesperança.

Não é à toa que, segundo dados da OMS de 2017, 18 milhões de brasileiros convivem com a ansiedade, o equivalente a 9,3% da população – a maioria dos casos acomete as mulheres. Além disso, ainda de acordo com a OMS, 12 milhões de brasileiros (ou 5,8% da população) sofrem de depressão. Esta é a maior taxa da América Latina e a segunda maior das Américas, atrás apenas dos Estados Unidos.

Estima-se que entre 20% e 25% da população teve, tem ou terá depressão, sendo essa a doença psiquiátrica com maior prevalência no Brasil. Não por acaso, a OMS alerta que a depressão vai se tornar a doença mais incapacitante até 2020, ops… e o ano já chegou!

Por isso, faço um convite a todos os líderes e funcionários que estão lendo essa coluna:  sem qualidade de vida pessoal e profissional, o bem-estar mental acabará irremediavelmente prejudicado. E minha missão, como nova colunista da VOCÊ S/A, é ajudar você a encontrar esse equilíbrio

Divulgação/VOCÊ S/A
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

App VOCÊ RH para celular e tablet, atualizado mensalmente

a partir de R$ 12,90/mês