Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Por que contratar profissionais LGBT+ ainda é um ato revolucionário

Empresas que afirmam ser amigáveis para a população LGBT+ não necessariamente contratam essas pessoas ou as deixam à vontade para assumir sua orientação

Por Liliane Rocha* 13 jun 2021, 08h43

Na Gestão Kairós – Consultoria de Diversidade e Sustentabilidade, elaboramos um material que nos permite refletir, avaliar e contextualizar os avanços das empresas brasileiras quando falamos da temática LGBTQIAP+. Aplicamos em quase todos os nossos clientes um Censo Demográfico, com o objetivo de compreender como a demografia da sociedade brasileira é espelhada, ou não, nas empresas, tanto no quadro funcional como na liderança.

Estamos em 2021 e os estudos nos apontam que cerca de 10% da população brasileira é homossexual. Esse dado se baseia na escala de Kinsey, da década de 1950, mas também em estudos mais recentes como o realizado pela USP em 2009.

Portanto, apesar de achar esses números subestimados, e infelizmente, não termos dados sobre diversidade sexual no IBGE, seguimos utilizando esse parâmetro e tentando compreender, se nas grandes empresas brasileiras temos essa representatividade.

Onde estão as contratações?

Em geral, o que notamos é que lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros seguem não sendo contratados. Ou se estão sendo contratados não se sentem confortáveis em declarar a sua orientação sexual e identidade de gênero. Na média da amostragem geral da Gestão Kairós, cerca de 6% são lésbicas, gays e bissexuais e 0,4% são pessoas trans do quadro geral das empresas, e na liderança – nível gerente e acima –, 1,21% e 0,08% respectivamente.

Ter números nesta conversa é fundamental, afinal, por vezes temos a percepção de que pessoas LGBTQIAP+ estão tendo igualdade de oportunidades de ingresso e permanência dentro das grandes empresas. Muito dessa percepção, provavelmente, é gerada pelo fato de as empresas já terem compreendido o poder do Pink Money, ou seja, o poder de consumo de gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros e todas as ramificações da diversidade sexual, que, segundo a LGBT Capital (2019), só no Brasil, movimenta US$ 75 bilhões por ano. E, portanto, estarem investindo no desenvolvimento de produtos e serviços para esses públicos, bem como realizando suas campanhas publicitárias também com este foco.

Continua após a publicidade

Mas atenção: o fato de uma empresa afirmar que é LGBTQIAP+ friendly, não necessariamente, significa que ela está contratando LGBTQIAP+, ou possibilitando a esta parcela da população o direito básico ao emprego e renda.

Ainda à margem

Quando buscamos compreender por que essa parcela da população segue às margens das melhores oportunidades, encontramos os mesmos falsos paradigmas de sempre. Com recorrência, profissionais de Recursos Humanos e líderes responsáveis pela contratação seguem pensando que, em alguma medida, pessoas LGBTQIAP+ são inadequadas, promíscuas, desajustadas de alguma forma. Ou alegam que a empresa não está culturalmente preparada, por isso que os profissionais desse grupo de diversidade, caso sejam contratados, irão sofrer preconceitos de toda ordem.

E por fim, alegam, no limite, já fora da razão a falta de estrutura física, como por exemplo, não existir um banheiro para as pessoas trans. Neste caso, em particular, sempre perguntamos: “Mas na empresa já tem banheiro?”. E quando vem a resposta afirmativa, explicamos que se a empresa já tem banheiros, então já há banheiros para profissionais trans, ou seja, essa justificativa não se confirma.

Claro que em meio a todo esse cenário, algumas empresas se destacam e já vêm há alguns anos contratando profissionais de toda a diversidade sexual, para os mais variados cargos, assegurando um ambiente seguro, realizando as promoções e desenvolvimento de carreira de acordo com os processos realizados pelas empresas. São uma referência, e um sopro de esperança, mas infelizmente, não são as maiores.

Por isso, neste mês do orgulho LGBTQIAP+ se você é do RH ou líder de alguma empresa, seja revolucionário. Construa a sociedade pela qual temos lutado, mais equânime e justa. Mostre que, como diz a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, realmente todo ser humano, sem qualquer distinção, tem direto de acesso ao trabalho.

 

* É fundadora e CEO da Gestão Kairós consultoria de Sustentabilidade e Diversidade e autora do livro Como ser um líder inclusivo. É conselheira consultiva do CEO´s Legacy (Fundação Dom Cabral) e Conselheira de Diversidade da Ambev. Reconhecida como 101 Top Global Diversity and Inclusion Leaders no Diversity & Inclusion Excellence Awards por três anos consecutivos (2019, 2020 e 2021).

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)