Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Na Brasilata há estabilidade de emprego após 2 anos de casa

A empresa incentiva os funcionários a estudar, com bolsas que bancam até 50% das despesas

Por Tatiana Sendin Atualizado em 5 dez 2020, 20h49 - Publicado em 26 mar 2013, 17h16

Estrela (RS) – “Daqui só sai quem rouba, mente, briga de soco com um colega — ou morre”, diz um funcionário sobre a política da Brasilata de não demitir. Após dois anos de empresa, a fabricante de latas e embalagens garante a estabilidade do emprego — o que permite a permanência dos empregados após 25 anos de trabalho.

Alguns até se aposentaram, mas deram um jeito de continuar prestando serviço. Se por um lado isso passa segurança e tranquilidade para os trabalhadores, por outro empaca a carreira do time. “Leva dois anos e meio para deixar um profissional prontinho para trabalhar, e só depois ele vai subindo de nível”, diz um operário.

O crescimento acontece conforme o tempo passa: o funcionário estuda e consegue então preencher os requisitos dos cargos e funções das vagas que vão surgindo. “Eu cheguei ao nível máximo do meu cargo e agora terei aumento apenas quando virar coordenador — o que só vai acontecer se a companhia crescer”, diz outro profissional.

Isso pode ser malvisto para quem é de fora, mas não incomoda o time da Brasilata. Afinal, enquanto a promoção não vem, as pessoas se ocupam fazendo cursos ou substituindo colegas que saem de férias, mesmo que seja de outra função ou de outra unidade. Hoje, a empresa está presente em São Paulo (SP), Estrela (RS), Rio Verde (GO) e Recife (PE).

No ano passado, entre transferências e movimentações laterais, 41 funcionários foram favorecidos e 69 foram promovidos. Quanto aos benefícios, os empregados elogiam a participação nos lucros (que já alcançou quase dois salários a mais), a cesta básica (distribuída apenas para quem não falta) e a ajuda com os estudos.

“Eu completei o Ensino Médio aqui”, diz um trabalhador. Outros garantem que a Brasilata pagou 90% da mensalidade do curso técnico no Senai e receberam um auxílio de 50% para fazer faculdade. Hoje, a companhia ainda tem 40 empregados com apenas o Ensino Fundamental, mas 163 já se formaram no curso superior e 82 estão cursando a universidade. 

PONTO(S) POSITIVO(S) PONTO(S) A MELHORAR
Mesmo em período de crise, a fabricante não dispensa os funcionários, o que lhes dá tranquilidade. Há incentivos ao estudo, com bolsas que chegam a 50%. A previdência privada é disponível apenas para alguns níveis e falta uma política de cuidados com o meio ambiente.
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês