Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Novas chaves para decifrar a educação no pós-pandemia

Power Skills reúnem conhecimento técnico e inteligência emocional para ajudar a navegar no atual mundo BANI

Por *Josane Julião 3 jun 2022, 16h30

*Conteúdo publicitário

Até antes da pandemia, para entender a realidade em que vivíamos era utilizado um conceito chamado VUCA – sigla (em inglês) para Volatilidade, Incerteza, Complexidade e Ambiguidade. Ele servia como orientação no ambiente de trabalho para abordagens ágeis e auto-orientadas.

Ele ajudava a conhecer a instabilidade de cada mudança; saber que as incertezas comprometem as previsões; que algumas complexidades não poderiam ser eliminadas; e que os sinais que servem de base para uma estratégia, muitas vezes, são ambíguos. Mas, hoje, este conceito se tornou insuficiente. Os cenários atuais são mais frágeis, sujeitos a mudanças inesperadas e imprevisíveis. As incertezas envolvidas exigem um planejamento mais abrangente, e, para tanto, é preciso lidar com a ansiedade que tudo isso gera.  

A pandemia deixou claro que o jogo mudou – e que seu nome é justamente “Mudança”. Mais sucesso terá quem melhor se adaptar a isso. Ela tem nos ensinado que o mundo não caberá mais nos conceitos criados antes dela para explicá-lo. As empresas já esperam que seus colaboradores entendam que os modos de viver, trabalhar e aprender mudaram. Isso significa que a relação das pessoas com as formas de aprender e de se capacitar para a vida profissional terá de mudar.

Novo cenário

A realidade, então, tem quatro novas chaves para ser decifrada – reunidas na sigla (em inglês) BANI: Fragilidade, Ansiedade,Não-Linearidade e Incompreensibilidade. Tudo pode mudar a qualquer instante. O estado em que o mundo se encontra, em meio a crises de ordem econômica, ambiental, social e sanitária, gera ansiedade. Não há uma explicação racional imutável para as coisas. E o que não conseguimos entender como indivíduos talvez possa fazer sentido num plano mais amplo, coletivo. 

Continua após a publicidade

As competências necessárias para navegar por esta nova realidade têm sido chamadas de Power Skills: o conhecimento formal e técnico se soma à inteligência emocional e às habilidades interpessoais. E a sala de aula, como a conhecíamos até a chegada da covid-19, não basta para que se aprenda como colocar todas essas ferramentas na mesma caixa.

Cada vez mais serão necessárias metodologias ativas – o aluno tem que ser protagonista de seu aprendizado. Para que seja assim, é preciso que o que se vai ensinar esteja inserido em contextos que ele reconheça – como situações reais do dia a dia de trabalho, por exemplo. Desse modo, ele entende a aplicabilidade do que lhe é ensinado. Também aprende que, da solução para um problema, faz parte a sua habilidade em obter apoio, lidar com pessoas, saber encontrar o caminho do meio – exercitar a empatia e a sociabilidade.

Um modelo para essa nova cara que o ensino vai ter pode estar no modelo 70-20-10. Embora tenha sido elaborado nos anos 1990, ele se mostra adequado para a realidade de hoje porque propõe que apenas 10% do conhecimento é adquirido no aprendizado formal. A maior parte (70%) se dá no nível empírico – com a “mão na massa”. Resolver problemas reais dá a dimensão do desafio com que se vai lidar quando o aluno estiver empregado. E 20% se dá de forma relacional e referencial – buscando pessoas que tenham resolvido problemas parecidos.

Esse modelo dá mais espaço para trabalhos aplicados em projetos de vida, que façam mais sentido para o aprendiz. O professor, nesse caso, passa a ser um facilitador do processo – e não mais um “detentor do conhecimento”, que transmite tudo em forma de conceitos abstratos e teorias. Isso se aplica não só para estudantes universitários como para os do ensino médio também.

A Hamburger University, universidade corporativa do McDonald’s, marca operada pela Arcos Dorados em 20 países da América Latina e Caribe, prioriza a aprendizagem ativa (o “active learning”) para resolução de problemas complexos e para desenvolver habilidades de liderança. Por exemplo: com essa abordagem, um pequeno grupo de pessoas se aprofunda no entendimento do problema real em busca de sua causa-raiz. Com o consenso quanto ao desafio a enfrentar, criam um plano de ação e atuam em consequência para implementá-lo. Esse processo promove debates, que invariavelmente proporcionam uma nova perspectiva: as opiniões divergentes, sem que haja imposições, ampliam as possibilidades. O resultado é que todos aprendem com seus erros, se adaptam rapidamente e inovam com sucesso.

Este é apenas um exemplo do que as organizações podem fazer. Mas cada um de nós pode também desenvolver critérios e evoluir na medida de nossa disposição para aprender, respeitar opiniões e colocar em prática soluções. Dessa forma, aprenderemos a mostrar resistência frente ao cenário frágil; a ter empatia e dedicar atenção plena para lidar com a ansiedade que assola o mundo; a buscar mais contextos para nos adaptarmos às mudanças que hoje parecem incompreensíveis. É assim que se dará uma resposta produtiva às questões sociais e econômicas que o mundo enfrenta hoje.

Josane Julião é reitora da Hamburger University na América Latina, braço de educação corporativa da Arcos Dorados, empresa responsável pela operação do McDonald’s em 20 países da América Latina.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)