Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Isis Borge Diretora da divisão de recrutamento Engenharia, Supply Chain, Marketing e Vendas da Talenses

Como responder bem às perguntas que um headhunter faz

O headhunter pode ser uma ponte importante entre o profissional e o mercado. Por isso, prepare-se para ter conversas transparentes

Por Isis Borge, colunista de VOCÊ S/A Atualizado em 15 jan 2021, 16h34 - Publicado em 15 Maio 2020, 06h00

Antes de passar orientações sobre as respostas mais adequadas para as perguntas mais comuns, acho importante explicar um pouco como um headhunter aborda os profissionais. Basicamente, o contato acontece em dois momentos: quando existe uma vaga em aberto; ou quando o headhunter tem interesse em conhecer mais o profissional para tê-lo no radar caso surja alguma oportunidade adequada ao seu perfil.

Em ambos os casos, a primeira abordagem costuma ser por telefone, após alguma indicação ou consulta ao banco de dados. Às vezes o headhunter não está com o currículo do profissional em mãos, tem pouco tempo para preencher a vaga e muitos contatos para fazer. Então, ao atender uma ligação desse tipo, pense que você precisará colocar em prática todo o seu poder de objetividade e clareza para que o bate-papo não se estenda mais do que cinco minutos.

Geralmente, nessa ligação inicial você será questionado se está trabalhando, em qual empresa atua ou qual foi a última que te empregou, qual é o seu atual cargo ou o último, o que te faria avaliar um novo desafio, a confirmação do seu último pacote de remuneração e se você tem conhecimento de outros idiomas, caso a vaga exija essa qualificação. Costuma-se verificar, também, se o candidato tem afinidade com dois ou três pontos-chave da vaga no quesito de habilidades técnicas.

  • Após falar rapidamente com esse profissional e havendo interesse de ambas as partes, o headhunter vai agendar uma conversa mais detalhada pessoalmente ou por vídeo, o meio ideal dentro do cenário de quarentena. Esse segundo bate-papo costuma ter duração entre 40 minutos e uma hora. Dependendo da senioridade do profissional, esse tempo pode ser entendido para até duas horas. Nessa fase do processo, é possível que você depare com as seguintes perguntas:

    Pode me contar sobre a sua trajetória profissional?

    Você pode começar tanto em ordem cronológica quanto das experiências mais recentes para as mais antigas. Mas o ideal é sempre fornecer mais informações sobre as experiências mais recentes e, portanto, mais relevantes para mostrarem o seu potencial para uma futura vaga. Evite entrar muito no detalhe de experiências antigas. Quando for falar sobre a sua trajetória de carreira, seja sucinto, traga fatos e dados de conquistas e das experiências de destaque.

    Poderia falar um pouco sobre você?

    Para responder essa pergunta de maneira satisfatória, é importante que você se conheça e seja transparente. Fale sobre suas habilidades comportamentais, os famosos soft skills, incluindo os pontos fortes e fracos. Conte qual é o seu estilo de gestão e como gosta de ser gerido. Perde pontos quem tenta se mostrar perfeito, usa a estratégia de listar pontos fortes como se fossem defeitos ou é muito vago ao listar os pontos fracos.

    Porque você saiu da empresa X para ir para companhia Y?

    Com essa pergunta o headhunter quer entender os motivos das suas transições entre empresas. Sim, ele vai querer saber por que você foi desligado de uma companhia ou pediu demissão. Esses pontos ajudam o headhunter a entender os seus objetivos de carreira e o que você valoriza ou te desagrada dentro de uma companhia. Ter essa noção é muito importante para que ele possa te direcionar para a oportunidade mais adequada. Um recrutador mais experiente também vai entender, nesse momento, seu nível de transparência e superação de questões relacionadas aos empregos anteriores.

    Por que você está em busca de outra oportunidade?

    Aqui, o objetivo é entender o seu momento profissional. Em geral, a maior parte das pessoas quer mudar de emprego pela qualidade do relacionamento com o gestor direto. Mas, também ouço descontentamentos relacionados à distância entre casa e trabalho, falta de reconhecimento ou de perspectiva de plano de carreira e crescimento, desejo por trabalhar em determinada empresa ou segmento, demora para ser promovido, diminuição do escopo do trabalho, preocupação com a situação financeira da empresa, ausência de benefícios ou não se sentir desafiado. Infelizmente, alguns buscam a mudança por situações graves de ética ou assédio. Ao responder essa pergunta, novamente, é muito importante ser o mais transparente possível, para que o headhunter tenha certeza sobre a sua convicção com relação ao motivo.

    Continua após a publicidade

    Qual é o seu pacote de remuneração atual e sua pretensão salarial?

    Não minta sobre o seu atual pacote de remuneração porque o headhunter tem meios de checar a informação. Com relação a pretensão para se movimentar, no momento atual é muito usual as pessoas aceitarem a proposta mais pelo desafio do que por um incremento salarial em si. Quando existem aumentos salariais, em geral, eles variam entre 10% e 30%. Já vá para a entrevista com um valor em mente e, após chegarem a um acordo, mantenha-o até o final do processo. Caso não saiba qual valor mencionar, peça ajuda ao headhunter.

    Com quais profissionais eu posso pegar referências sobre você?

    Muitos headhunters têm feito esse processo considerando o conceito 360°, ou seja, conversando com ex-gestores, pares e subordinados. Normalmente, ele mescla essa lista com contatos que você sugeriu e com outros que ele levantou por conta própria. Antes de fazer as indicações, pergunte para as pessoas que você pensa em indicar se elas se sentem confortáveis com a situação de fornecer referências suas.

    Qual é o seu nível de proficiência no idioma X?

    Grande parte dos headhunters mais experientes são poliglotas. Então, se o seu currículo indica fluência em idiomas, pode ter certeza de que essa habilidade será testada no bate-papo. Aqui, mais uma vez, seja o mais honesto possível. Alguém que mente no currículo sobre a proficiência em um idioma, pode ter mentido em mais itens. Esse vai ser o raciocínio do headhunter.

    Em quais tipos de empresa você quer trabalhar? O que você valoriza em uma organização? O que te faz feliz no ambiente de trabalho?

    É importante saber responder esses tipos de perguntas para que o headhunter consiga te direcionar para as vagas mais alinhadas ao seu perfil e aos seus objetivos profissionais, no médio e longo prazo. Tenha uma lista das empresas almejadas, das características que você avalia em uma organização e de tudo o que te desanima em uma oportunidade.

    O headhunter é a ponte entre você e as oportunidades de trabalho que existem no mercado. Vale ressaltar que os honorários desse profissional são pagos pela empresa contratante e não pelo candidato à vaga. O serviço pago pelos profissionais para preparar o currículo e auxiliar no momento de transição até a recolocação recebe o nome de outplacement e não tem nenhuma relação com o trabalho do headhunter.

    Se você conseguir estabelecer uma relação de confiança com o headhunter que te procurou, é possível que ele se torne a pessoa para quem você vai recorrer sempre que quiser saber informações sobre o mercado de trabalho e também sempre que precisar se recolocar ou se movimentar na carreira. A conversa com o headhunter costuma sempre visar o longo prazo, de acompanhar a sua jornada profissional e de poder te alertar sempre que surgir uma oportunidade interessante para a sua carreira. Então, prepare-se para esse bate-papo, seja natural, autêntico e transparente quanto ao seu perfil e objetivos profissionais.

    Boa sorte na sua jornada profissional. Desejo que a sua experiência conosco, headhunters, seja a melhor possível!

    Mulher loira sorrindo, Isis Borge diretora da Talenses
    Divulgação/VOCÊ S/A
    Continua após a publicidade
    Publicidade