Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Plano de carreira: o que é e como criar um para sua empresa

Entenda por que desenhar um planejamento de carreira para você e para a sua empresa é tão importante

Por Hanna Oliveira Atualizado em 26 jan 2021, 18h27 - Publicado em 15 jan 2021, 14h54

Um planejamento de carreira é importante para ter clareza sobre a trajetória profissional. E isso vale tanto para pessoas, quanto para empresas. Falando sobre pessoas, fazer um plano de cargos e salário, por exemplo, pode te ajudar a compreender quais as oportunidades de trabalho fazem sentido para você, assim como um plano de cargos e carreiras que você queira alcançar ou transicionar.

No entanto, Felipe Anghinoni, professor e sócio fundador da Perestroika Escola de Metodologias Criativas, destaca que estamos vivendo um período de grandes transformações e um plano de carreira muito estruturado, prevendo milimetricamente os passos de muitos anos da vida de um profissional, pode ser perda de tempo: “Eu vejo que as pessoas estão cada vez mais se apegando menos a esses planos e eu acho que é uma coisa boa, porque a mudança que a gente vem falando há 15 anos, está cada vez acontecendo mais”.

O fato de o mundo estar mudando e, talvez, não haver necessidade de um planejamento de carreira muito longo, não significa que você não possa investir em um para você ou para sua empresa. Aqui vão algumas dicas sobre planejamento.

 

  •  

    Finalidade do plano de carreira

    Um plano de carreira, nada mais é do que um caminho para um objetivo profissional. Felipe Anghinoni, entende que hoje eles são importantes para se compreender onde se está profissionalmente e onde se quer chegar, sem se apegar a um caminho apenas: “A importância de um profissional ter um plano de carreira é saber para onde está indo. Mas eu acho importante estar livre para mudar o plano toda hora. Faça o plano A, B e C, sabendo que nenhum deles vai ser colocado em prática. Vai mudar o caminho”, defende Felipe. 

    Quais são os tipos de plano de carreira

    Não são apenas pessoas que podem ter um plano de carreira. É comum que empresas também tenham um planejamento individual e coletivo de carreira para seus funcionários. Ele é importante, porque ajuda a companhia a ter visibilidade de seus talentos e a guiar no desenvolvimento da força de trabalho.

    Continua após a publicidade

    Saiba como elaborar um plano de carreira

    Para Felipe, na hora de elaborar um plano de carreira, alguns passos são importantes. O primeiro é compreender onde se está e onde se quer chegar. O segundo é entender o momento que você está vivendo e o seu perfil profissional. A questão geracional é um ponto importante a se levar em consideração na hora de planejar.

    Em sua atuação como professor, Felipe nota que planos de carreira melhor estruturados são mais importantes para pessoas da Geração X. Para profissionais das gerações Y e Z, um planejamento com uma visão anual pode ser mais adequado: “As pessoas estão querendo saber de múltiplas habilidades, então é bom fazer um plano de carreira, mas fazê-lo para ver as prioridades do ano, o que você quer construir no ano”, explica. 

    Plano de carreira de empresas

    Quando se fala em empresas, o planejamento da carreira é um ponto sensível, porque pode afetar, inclusive, a manutenção de talentos. Pessoas da geração Z, segundo Felipe, já se adaptaram a ideia de que vão mudar caminho ao longo de sua trajetória profissional e, para muitas, a perspectiva de começar em uma área e desenvolver toda sua carreira apenas nela, não é muito atrativa: “Se um profissional entra como trainee de marketing, crie expectativas que ele migrará para outras áreas de empresas. Deixar que eles decidam o que vão fazer por projeto”, pontua.

    Seis perfis pessoais que influenciam no planejamento de carreira 

    Além disso, outra alternativa interessante é iniciar um programa piloto de plano individual de carreira dentro da empresa levando em consideração o perfil dos profissionais e ver como funciona. Felipe destaca seis padrões (e alerta que uma pessoa pode ter mais de um desses aspectos e até mesmo mudar ao longo de sua trajetória) 

    1. Lobo solitário: desenvolve melhor suas atividades de maneira solitária e independente. É mais produtivo, rápido e eficiente dessa maneira.
    2. Coletivo: contato social, reuniões, troca de ideias, divisão de tarefas e trabalhos em grupo são motivadores para a sua performance. 
    3. Especialista: tem conhecimento aprofundado sobre um assunto. Gosta de focar em uma mesma atividade. Mudar de função atrapalha sua produtividade.
    4. Renascentista: tem múltiplos interesses. A rotina acaba com seu humor. Gosta do dinamismo e das trocas. Fica arrepiado ao pensar em trabalhar na mesma área o resto da vida.
    5. Operador: segue regras e é disciplinado. Gosta de trabalhar no formato comando/controle. Missão dada é missão cumprida.
    6. Articulador: sabe costurar trabalhos e projetos juntando diversas áreas ou departamentos da empresa. Tem naturalidade para orquestrar o trabalho e a comunicação entre muitas pessoas.

    Para Felipe, uma boa maneira de programar a carreira é fazer um planejamento piloto por ciclo, levando em consideração esses perfis. Além disso, é importante testar a eficácia do plano por meio dos resultados conquistados. “Acho que é um começo para pensar que pessoas diferentes trabalham diferente numa mesma posição e saber que ao longo do tempo as pessoas vão mudando”, finaliza o especialista.

     

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade