Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Mulheres se sentem pressionadas a estarem “belas” no trabalho

Mesmo em meio a pandemia, quase 70% das mulheres que participaram de um levantamento relataram sentir pressão no ambiente de trabalho

Por Hanna Oliveira Atualizado em 10 dez 2020, 20h27 - Publicado em 25 nov 2020, 11h00

A Singu, maior marketplace de beleza e bem-estar da América Latina, realizou um levantamento com mais de 1.300 mulheres, divulgado com exclusividade por VOCÊ RH, que apontou ser grande a pressão estética que essas profissionais têm sofrido, mesmo em meio a pandemia. A pesquisa mostrou que quase 70% das participantes sentem-se pressionadas no ambiente de trabalho para estar com a “beleza em dia”. Sendo que 20% declararam “precisar estar sempre impecáveis, pela exigência do trabalho”. Entre as participantes da pesquisa, 71% estavam em regime de trabalho remoto. 

Questão histórica 

A pesquisa revela uma tendência que vai na contramão do home office, que parecia ser um ambiente de trabalho marcado por mais informalidade e flexibilidade. Para a professora-doutora da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mirtes de Moraes, a pandemia evidenciou questões históricas relacionadas ao papel da mulher, pois o necessário isolamento social acaba evidenciando as imposições de papéis de gênero. 

“Desde o século 19, a partir da República, houve a consagração da casa e do lar como espaço da mulher. Todas as extensões desse espaço e a própria relação do cuidado doméstico, do cuidado com os filhos, acaba sendo uma responsabilidade social feminina”, diz Mirtes.

 

 

Continua após a publicidade

Nesse sentido, a pesquisa apontou que embora as mulheres sintam a pressão do mercado, o dia a dia profissional ainda é um fator de dificuldade para se seguir “rotinas de beleza”, com um número de 46% declarando que a profissão dificulta a adoção de uma rotina e 19%, que dificulta muito. “As mulheres estão fazendo home office, mas não estão apenas trabalhando. Não há uma preocupação [de grande parte dos homens], por exemplo, de fazer o almoço e auxiliar nas atividades das crianças na escola. Mas há uma preocupação das mulheres frente a essas questões”, explica Mirtes.

A questão levantada pela professora ganha reforço nos números: dados do IBGE de 2019 mostram que  85,7% dos brasileiros realizaram afazeres domésticos no ano passado, destes, 92,1% tiveram a participação feminina contra 78,6% de masculina.

Sobre a pressão estética, a professora explica que há uma visão social de que a mulher que não segue determinados rituais de beleza não estaria cuidando adequadamente da sua apresentação pessoal. “Vemos homens trabalhando de camiseta, mas das mulheres exige-se que estejam maquiadas, com o cabelo penteado. Se não aparecer dessa maneira, são ‘desleixadas’”.

Os marcadores de raça e gênero

No quesito raça e gênero a pressão estética pode recair de modo mais forte e profundo, reforçando pensamentos racistas e transfóbicos. “Quando pensamos na mulher preta e na mulher trans, percebemos um preconceito maior. Muitas negras acabam alisando  ou prendendo o cabelo”, diz Mirtes. Ela afirma que quando as pessoas veem um cabelo crespo solto o consideram “exótico” em vez de bonito. “Ainda hoje você tem poucas mulheres negras e trans executando cargos num campo mais empresarial”, diz a professora. 

O papel das empresas nessa desconstrução

Para Mirtes, estamos num processo de construção de um caminho mais diverso e inclusivo. E os avanços têm sido positivos nos últimos tempos, com o surgimento de consultorias e força da agenda de diversidade. “É estar ganhando por uma causa mais politizada, não no sentido partidário, mas de ter uma consciência de quem são e de que direitos a pessoa deve ter. É muito interessante pensarmos que num passado não tão longínquo falávamos de diversidade e hoje falamos de inclusão”, finaliza.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

App VOCÊ RH para celular e tablet, atualizado mensalmente

a partir de R$ 12,90/mês