Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Mercado e Vagas

Atitudes de fornecedores podem manchar a imagem das empresas

Com preocupações crescentes sobre diversidade, sustentabilidade e reputação, empresas começam a avaliar com mais cuidado seus fornecedores e terceirizados

por Paula Simões Atualizado em 18 fev 2021, 19h59 - Publicado em
19 fev 2021
06h40

Em novembro do ano passado, uma das maiores redes de supermercados do país, o Carrefour, viu uma de suas lojas se tornar palco de um homicídio triplamente qualificado. João Alberto Silveira Freitas, um homem negro e cliente do estabelecimento, foi espancado até a morte por dois seguranças brancos. Essa não foi a primeira repercussão de atitudes de violência provocadas por seguranças terceirizados em estabelecimentos da rede, gerando assim uma discussão em todo o país sobre responsabilidade e medidas que uma empresa contratante deve ter com seus fornecedores para evitar esse tipo de desfecho e outras violências.

Do outro lado da discussão sobre racismo, a rede de varejo Magazine Luiza foi uma das empresas que tomou a frente em suas ações afirmativas de equidade racial e lançou um programa de trainee exclusivo para candidatos negros. A medida repercutiu nas redes sociais positiva e negativamente e até levantou a discussão: será que a companhia perderia clientes com esse posicionamento?

Tatiana Maia Lins, consultora fundadora da Makemake, esclarece que não se deve confundir as métricas de redes sociais com as de reputação. “Nenhuma empresa perde clientes por causa de ações em prol da sustentabilidade ou por ações afirmativas. Luiza Trajano terminou o ano em capas de revista, sendo considerada a personalidade do ano. A reputação dela não teve nenhum abalo negativo com a ação da empresa; pelo contrário”, contextualiza.

Diante de debates acalorados, politizados e polarizados sobre os temas de diversidade e sustentabilidade, cada vez mais importantes para as companhias, até onde as empresas estão dispostas a ir para defender seus valores? Demitir fornecedores e afastar clientes que discordam de posicionamentos firmes será uma postura das organizações no futuro?

Para ler o texto completo, compre a edição 72 de VOCÊ RH, que já está nas bancas de todo o país. Ou clique aqui para se tornar nosso assinante e tenha acesso imediato à edição digital, disponível para Android e iOS.

Continua após a publicidade