Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

A Glaxosmithkline dá uma força ao voluntariado

É possível ficar de três a seis meses em uma instituição em tempo integral sem perder os benefícos

Por Michelle Aisenberg Atualizado em 5 dez 2020, 20h49 - Publicado em 26 mar 2013, 16h30

Rio de Janeiro (RJ) – O Brasil virou prioridade para a farmacêutica inglesa GlaxoSmithKline (GSK), que detém 25% do mercado mundial em vacinas e emprega mais de 96.000 pessoas em 114 países.

Após Andrew Witty Philip assumir o cargo de presidente da companhia, há quatro anos, os resultados das novas políticas de RH começam a aparecer e pela segunda vez consecutiva a GSK integra a lista das 150 melhores empresas para trabalhar deste Guia.

Entre os destaques está a implantação do HR Transformation, um centro de serviços compartilhados cujo atendimento é integralmente dedicado a recursos humanos. As questões que não são resolvidas durante o atendimento telefônico são encaminhadas para um especialista, que tem até dois dias para responder à solicitação.

Essa foi a solução encontrada para possibilitar um atendimento padronizado a todos os empregados. Para atuar de forma mais focada, a companhia também criou o programa RH Dedicado ao Negócio, que tornou viável a contratação de profissionais de RH generalistas para atuarem exclusivamente em uma das seis áreas de negócio da GSK. Mensalmente, eles participam da reunião do Conselho de RH para trazer novas demandas, que são discutidas em grupo e funcionam como subsídios para iniciativas.

O Plano de Desenvolvimento e Performance dos profissionais da empresa também merece destaque: todos são avaliados anualmente e, em conjunto com o gestor, definem objetivos, elegem os comportamentos que serão trabalhados e criam um plano de desenvolvimento 70-20-10, no qual 70% do desenvolvimento ocorre on the job, 20% com treinamentos, mentoring e coaching, e 10% com leituras.

É política da múlti valorizar a prata da casa. Em 2011, 30% das novas vagas foram preenchidas por recrutamento interno ou efetivação de estagiários. O número de promoções chegou a 159, sendo 54 delas para cargos de liderança. E as oportunidades não foram somente no Brasil: 16 funcionários foram expatriados em 2011 para assumir novas funções em outros países.

PONTO(S) POSITIVO(S) PONTO(S) A MELHORAR
A GSK estimula o voluntariado, permitindo que os funcionários fiquem de três a seis meses em tempo integral em uma instituição sem perder os benefícios Para parte do time, falta alinhamento na comunicação, já que nem todas as áreas são informadas da mesma forma sobre determinados assuntos.
Continua após a publicidade
Publicidade