Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Por que a alimentação dos funcionários traz ganhos na produtividade

Um funcionário bem nutrido falta e se atrasa menos, aprende mais nos treinamentos e sofre menos acidentes de trabalho

Por Frederico Machado Atualizado em 5 dez 2020, 20h48 - Publicado em 17 fev 2020, 11h30

Almoçar fora de casa durante a semana de trabalho é reali­dade para a maioria dos bra­­­sileiros — ainda mais para aqueles que vivem em cidades nas quais o deslocamento até o trabalho leva horas. Por isso, muitas companhias disponibilizam locais para que os funcionários possam se alimentar.

Porém, mais do que uma simples oferta de comida, as Melhores Empresas esforçam-se para que o momento da refeição seja agradável e saudável. E não apenas porque isso melhora a motivação, mas principalmente porque um prato balanceado se reflete na saúde e na produção dos empregados.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a falta de ferro, por exemplo, é responsável pela perda de 5% da produtividade em atividades fabris leves e de 17% em tarefas pesadas. A OIT alerta, também, que um aumento de 1% nas calorias ingeridas significa um acréscimo de 2,27% de produtividade.

“Os impactos são ainda maiores sobre os trabalhadores com faixa salarial mais baixa, que têm dificuldades de bancar refeições saudáveis e que ofereçam os nutrientes necessários para o serviço”, afirma José Afonso Mazzon, professor na Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP).

Só que não basta aumentar as calorias sem cuidar do equilíbrio nutricional. Senão, há risco de estimular o sobrepeso entre os empregados. E isso tem se tornado um problema grave no Brasil. De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada em junho pelo Ministério da Saúde, a taxa de obesidade no país aumentou quase 68% de 2006 a 2018.

“A atenção deve ser grande para quem faz refeições fora de casa, já que o acesso a alimentos inadequados pode ser mais fácil. Por isso a importância das empresas nesse processo”, afirma a nutricionista Ana Beatriz Barrella, da RG Nutri.

Gastos ou investimentos?

As companhias que pensam que aumentar os recursos destinados à alimentação significa “engordar” os gastos estão enganadas. Além dos benefícios fiscais decorrentes da adesão ao Programa de Alimentação ao Trabalhador e do aumento da produtividade, outros fatores pesam nessa balança. Um funcionário bem nutrido falta e se atrasa menos, aprende mais nos treinamentos e sofre menos acidentes de trabalho. Além disso, caso se alimente na própria empresa, passará mais tempo lá.

Na O Telhar Agropecuária, os valores investidos com alimentação dos funcionários nas fazendas de algodão, soja e milho têm crescido. Enquanto na safra 2016-2017 foram gastos 3,7 milhões de reais, na de 2018-2019 os números chegam a 6,2 milhões de reais. Desde 2013, a reforma e a construção de refeitórios já consumiram cerca de 1,5 milhão de reais.

Continua após a publicidade

Isso ocorreu porque, em 2012, a companhia contratou uma nutricionista e percebeu que precisava melhorar a qualidade das refeições — são oferecidos café da manhã, almoço e jantar para todos os funcionários e ceia para quem trabalha no período noturno. “Essas melhorias fazem parte de um investimento geral nas condições de trabalho, que englobam desde a estrutura dos alojamentos nas fazendas até a qualidade das refeições”, explica Lilian Carrijo, gerente de recursos humanos da O Telhar.

Os investimentos geraram resultados significativos. A empresa possui um indicador que mostra que na safra de 2011-2012 a produtividade máxima não chegava­ a 120 000 horas homens trabalhadas por hectare produzido. Hoje em dia, o índice chega próximo a 200 000 horas homens trabalhadas por hectare produzido.

Se a vizinhança não ajuda

Muitas empresas passam a prestar mais atenção no assunto quando percebem que as opções ao redor de suas unidades não atendem às necessidades alimentares dos empregados. Foi o que aconteceu na Schneider Electric, multinacional do setor de distribuição de equipamentos elétricos que possui cinco fábricas, dois escritórios administrativos e mais de 7 000 pontos de venda em todo o país. “Por volta de 2004, percebemos que nosso entorno não contava com opções de refeição equilibrada”, diz Mari Stela, gerente de RH da Schneider Electric para a América do Sul.

A estratégia de melhorar as opções de alimentação tem gerado resultados e satisfação entre os funcionários. Gustavo Araújo, estagiário de people analytics, é um exemplo. “Trabalhei anteriormente em outra empresa onde tive diversos problemas com a refeição, desde o cardápio até a qualidade dos alimentos. Em decorrência disso, durante um bom tempo tive de ser adepto da marmita. Agora, na Schneider, devido à variedade e à qualidade dos alimentos, eu nunca tive problemas, consigo equilibrar minha dieta e variar bastante entre as opções”, afirma.

Feedback fundamental

Para manter o padrão das refeições, os nutricionistas são ca­tegóricos: há a necessidade de monitoramento da opi­nião dos empregados. Existem diversas ferramentas nesse sentido: totens instalados nas saídas dos refeitórios, pesquisas de satisfação, canais na intranet para críticas e sugestões, entre outros.

Na Schneider Electric há comitês que recebem e filtram os feedbacks e as sugestões, que são posteriormente encaminhadas aos nutricionistas. “Nosso trabalho é atender às expectativas dos clientes, diversificando o cardápio. Atualmente, estamos aplicando pesquisa de preferência de sobremesas na última semana do mês. A iniciativa está sendo um sucesso”, diz Rosa Sakagami, nutricionista terceirizada da empresa.

Além de todas essas ferramentas e desses indicadores de opinião, nada substitui aquela boa e velha conversa de depois do almoço. “Procuro sempre visitar as fazendas e ter contato com os funcionários, criar uma proximidade para que eles se sintam à vontade para fazer críticas e sugestões às refeições”, diz Marcelo Correa, nutricionista da O Telhar. Às vezes, nada substitui o bom e velho bate-papo no cafezinho.

Quer participar da Melhores Empresas para Começar Carreira?

Entenda quais são os critérios de participação, conheça as etapas do processo e veja o que fazer para inscrever a sua companhia na edição de 2020

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês