Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Não nestas empresas

O índice de chefes coercitivos é baixo nas companhias ganhadoras do Guia VOCÊ S/A. Descubra as estratégias delas para criar líderes inspiradores

Por Erica Martin Atualizado em 5 dez 2020, 20h48 - Publicado em 5 mar 2020, 10h00

Um ser autoritário, que exerce a liderança seguindo a máxima: “Manda quem pode, obedece quem tem juízo”. É assim que Daniel Goleman, considerado o pai da inteligência emocional, descreve um chefe coercitivo.

Infelizmente, esse estilo de gestão, também chamado de tóxico por especialistas, causa estragos por onde passa. A boa notícia é que as empresas estão cada vez mais dispostas a mudar essa realidade, de acordo com dados do Guia VOCÊ S/A — As 150 Melhores Empresas para Trabalhar de 2019.

Em nosso questionário, feito em parceria com a FIA, perguntamos aos funcionários sobre lideranças diretas levando em conta seis perfis: coercitivo, inspirador, maternal, democrático, direcionador e instrutor. O resultado mostrou que, entre as 150 Melhores, os coer­citivos são a minoria e correspondem apenas a 10%.

“Temos observado no mercado uma vontade de avançar para uma liderança mais humanizada. O modelo de comando e controle funcionava na Indústria 2.0. No mundo 4.0, ele não faz mais sentido e perde espaço”, diz Paulo Almeida, professor e pesquisador na área de pessoas e liderança da Fundação Dom Cabral.

A ThoughtWorks, empresa americana de tecnologia, que possui incidência de 3% de chefes tóxicos, uma das menores taxas deste Guia, é um exemplo disso. Por lá, quando os funcionários deparam com um chefe recém-chegado que não os escuta, eles protestam. Como atuam por projeto de forma autônoma, os profissionais estão acostumados a participar da estratégia e organizar tarefas juntos.

Grazi Mendes, diretora de pessoas, lembra-se de uma situação recente, na qual um empregado procurou o RH para falar a respeito de um líder autoritário, que não incluía as pessoas no processo decisório. O propósito dele, segundo a executiva, não era “queimar o filme” do chefe, mas ajudá-lo na adaptação à cultura da organização, horizontal e aberta.

Para solucionar o imbróglio, a empresa criou uma rede de apoio ao novo gestor. Além de mentoria com líderes veteranos, um dos empregados diretos dele se prontificou a atuar mais próximo, pon­tuan­do toda vez que ele agisse de modo inadequado. “O líder aceitou o acompanhamento do liderado e, inclusive, relatou que os feedbacks foram essenciais para a adaptação e o entendimento da cultura”, afirma Grazi.

Os trabalhadores ainda criaram um relatório compartilhado de atividades, com atualizações frequentes de status, para mostrar que eram capazes. “Acredita-se muito na ideia de que, se as pessoas não forem vigiadas, não vão fazer o trabalho. Aqui, a gente parte da premissa de que, se dermos suporte e direcionamento, os resultados acontecem”, diz a executiva.

Mas o que leva um líder a se tornar tóxico? Ricardo Basaglia, direto-geral da Michael Page, explica que a maior parte das organizações carece de programas formais para capacitação de gestores. Assim, quando um chefe migra de posição ou deixa a companhia, dificilmente existe gente pronta — técnica e emocionalmente — para ocupar a função. “Em geral, os profissionais são promovidos num dia e assumem no outro. Ou seja, estão pouco preparados.” ­

Embora seja difícil afirmar quando alguém está pronto para assumir uma posição, há características que evidenciam o potencial para gestão. “Pessoas com equilíbrio emocional, que sabem ouvir, fazer leitura de cenário e traduzir bem as diretrizes da organização, além de demonstrar interesse em se desenvolver, são fortes candidatas”, diz Ricardo.

Olhando para dentro

Para minimizar a coerção, um dos primeiros passos é formar talentos internos, já adaptados à cultura. Esse é o caminho que as Lojas Renner, que obteve a maior nota em liderança deste Guia (97,8), percorre. Com um programa de sucessão que funciona há 12 anos, a companhia tem mapeados quem são os potenciais candidatos a ocupar posições de gerente sênior, gerente-geral e diretor. Para isso, além da avaliação de desempenho anual, a varejista aplica testes comportamentais para identificar quem possui — ou não — aptidão para liderar.

Os resultados são usados para a definição de uma lista de sucessores, que passa pelo crivo de um comitê de calibragem composto não só do chefe direto, mas de pares e colegas de outros departamentos. “Também fazemos uma avaliação, com consultoria externa, que valida se os profissionais têm, de fato, o potencial percebido dentro da organização e compara com referências de mercado”, diz Clarice Martins Costa, diretora de gente e desenvolvimento da Renner.

Depois de cumprir essas etapas, a empresa chega a um inventário de sucessores e elabora um plano de ação para acelerar o desenvolvimento deles. O processo inclui a apresentação de desafios e tarefas mais complexas — que extrapolam a função atual — e a oferta de coaching, mentoring e uma série de treinamentos internos e externos.

Hoje, todas as 87 posições estratégicas da organização possuem predecessores definidos. “É uma forma de manter nossa cultura, que é muito forte em gente”, diz Clarice.

Continua após a publicidade

Mas nem todas as companhias têm a mesma realidade. Muitas, quando um chefe sai, correm para o mercado buscar outro. A recomendação, nesses casos, é contar com ferramentas que ajudem a minimizar erros de seleções.

Além de assessment — questionário que avalia competências técnicas e comportamentais —, ajuda a realizar a contratação a avaliação 360°, em que os funcionários que serão liderados pelo candidato participam de uma das fases da entrevista.

Para os especialistas, incluir os empregados nesse processo traz resultados surpreendentes, afinal, eles conhecem a demanda da equipe com mais profundidade do que o próprio RH e podem fazer questionamentos assertivos, capazes de desnudar a mentalidade do futuro chefe. “O ritmo de trabalho, por exemplo, é algo que os membros do time conhecem melhor do que ninguém e podem questionar o candidato sobre como é o dele, para saber se está alinhado ao do grupo”, afirma Paulo, da Dom Cabral.

Clarice Martins Costa, diretora de RH e desenvolvimento da Renner: a companhia faz mapeamento de sucessão para promover talentos aptos a gerir pessoas | Foto: Ricardo Jaeger

Dia a dia

As práticas para diminuir a incidência de dirigentes nefastos não devem parar na seleção. As corporações precisam adotar ferramentas cotidianas que estimulem a convivência saudável entre chefe e subordinado. Uma delas é naturalizar o feedback, encorajando quem possui cargos mais altos a pedir um retorno sincero sobre as próprias atitudes. Outra, tão ­importante quanto, é garantir que os líderes registrem a evolução de seus liderados e sejam ajuizados por eles nessa avaliação, evitando as famosas birras pessoais.

Também é crucial investir em treinamentos que fortaleçam os dirigentes. O Sebrae Rio Grande do Norte, que teve uma incidência próxima de zero de chefes tóxicos (0,5%), fez isso. Em 2017, a empresa reuniu todos os gestores e questionou quais competências consideravam importantes aprimorar. Depois de definir algumas qualidades cruciais, a empresa estruturou uma capacitação, em parceria com a Fundação Getulio Vargas, com duração de dois anos.

A primeira fase do curso, finalizada neste ano, capacitou 25 gerentes, que tiveram treinamentos online e presencial sobre comunicação positiva; liderança coach; negociação e administração de conflitos; gestão de equipes eficazes; criatividade e inovação.

A iniciativa já tem trazido resultados: o nível de satisfação com a chefia saltou de 83%, em 2014, para 98,3% em 2019. “Ganhamos celeridade na resolução de problemas e conflitos, já que muitas situações passaram a ser resolvidas diretamente entre chefes e times, sem a ingerência da diretoria, por exemplo”, diz Simone Galvão, gerente de RH do Sebrae Rio Grande do Norte. A empresa já estuda uma segunda rodada de capacitações para 2020, com data ainda a ser definida.

Simone Galvão, gerente de gestão de pessoas do Sebrae Rio Grande do Norte: 24 gerentes estão sendo treinados em temas como comunicação positiva, coach, negociação e gestão de equipes eficazes | Foto: Humberto Lopes

Constância

Nem sempre é fácil identificar a presença de um gestor que não está agradando. Por isso, a indicação dos especialistas é que as companhias adotem ferramentas que meçam, constantemente, o ânimo do pessoal. Funciona realizar pesquisas pulse, rápidas e pontuais, específicas sobre a atuação da liderança. “Levantar esses dados é uma maneira de ler o clima organizacional e identificar as áreas onde há pontos sensíveis”, afirma Paulo, professor da Fundação Dom Cabral.

A Renner aplica pesquisas de engajamento todos os anos e delega aos BPs (businnes partners) das 18 regionais a missão de organizar reuniões com lideranças e equipes para apresentar dados coletados e estruturar os planos de ação necessários para corrigir eventuais problemas detectados.

Com o uso da ferramenta, a empresa conseguiu identificar, por exemplo, que funcionários de determinado departamento não estavam confortáveis com o modo com que o chefe cobrava resultados, considerado muito agressivo. Para reverter a situação, o RH atuou diretamente com o líder, propondo a ele uma mentoria com outro profissional da organização que se destacava nos pontos que ele precisava aperfeiçoar.

O engajamento da equipe aumentou em 20% depois da ação. “No primeiro mês, após conversas com a equipe, detectamos uma melhora no engajamento. Muitas vezes, são questões simples de resolver. Basta ouvir os funcionários”, diz Clarice, executiva de recursos humanos da Renner.

E o que não faltam são ferramentas para dar voz aos profissionais. Hoje, se a companhia quiser, ela consegue monitorar o clima diariamente com aplicativos de celular, que permitem o feedback dos profissionais em tempo real. “Antes, reclamava-se da demora das pesquisas de clima tradicionais.

Quando pensava em solucionar um problema, outros surgiam. Com a chegada da tecnologia, esse tipo de dificuldade não existe mais”, diz Ricardo, da Michael Page. Com tantos recursos, é injustificável permitir que o mau comportamento de um chefe ponha em risco a saúde das pessoas — e do negócio.


Quer participar do Guia VOCÊ S/A — As 150 Melhores Empresas para Trabalhar?

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês