Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Google nos EUA pode reduzir salários de funcionários em home office

Facebook e Twitter já pagam menos para empregados em home office que se mudaram para cidades com custo de vida mais baixo

Por Redação Atualizado em 10 ago 2021, 20h05 - Publicado em 12 ago 2021, 08h00

A agência de notícias Reuters teve acesso a uma calculadora de salários utilizada nos Estados Unidos pelo Google para mostrar aos funcionários qual seria o valor do salário de acordo com o local em que moram.

O Vale do Silício está experimentando fazer pagamentos diferentes seguindo o endereço: profissionais em home office que se mudaram para locais com custo de vida mais baixo já ganham menos em companhias como Facebook e Twitter.

  • No Google, segundo a Reuters, a calculadora mostra que os empregados de um mesmo escritório que escolherem fazer home office permanentemente ganharão menos do que os colegas que trabalham em regime presencial e precisam se deslocar. A agência de notícia afirma que os cortes podem chegar a até 25%. E há discrepâncias. Imagens da calculadora de salário do Google vistas pela Reuters mostram que um funcionário que mora em Stamford, Connecticut, receberia 15% a menos se trabalhasse de casa – e um empregado que mora em Nova York não teria cortes no mesmo regime.

    Um porta-voz do Google declarou à Reuters que “nossos pacotes de remuneração sempre foram determinados por localização e sempre pagamos o máximo do mercado com base no local onde o funcionário trabalha.”

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

     

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade