Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Proposta de criação de 400 mil vagas para jovens ganha força. Entenda

Proposta é que o governo ajude a pagar os salários dos aprendizes em pequenas e médias empresas

Por Camila Pati Atualizado em 5 dez 2020, 20h54 - Publicado em 16 jul 2020, 12h00

Uma proposta de Medida Provisória enviada pelo Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE para o Ministério da Economia prevê a abertura de até 400 mil vagas para jovens aprendizes  no Brasil está ganhando força. Em uma semana, a petição online criada pela jovem aprendiz Manuela Bernadino, de 20 anos, para somar esforços à proposta já reuniu mais de 24 mil assinaturas.

“Precisamos expor ao ministério a pressão que a nossa sociedade vem sofrendo atualmente, onde jovens perdem seus empregos e famílias seus sustentos, pois, em alguns casos, a renda do jovem é a única na família”, diz Manuela. Estudante de ciências da computação, a aprendiz faz parte dos projetos Meninas Negras, o Comitê Jovem Aprendiz, a comunidade Cloud Girls e é embaixadora do Instituto Bold.

Baseada na Lei de Aprendizagem, a proposta do CIEE sugere que o governo ajude a pagar os salários dos aprendizes em pequenas e médias empresas. O investimento público, propõe o CIEE, seria de 6 bilhões de reais, ou 0,5% do orçamento do Governo Federal destinado à sociedade em resposta à pandemia da Covid-19.

 Segundo um levantamento do CIEE, o custo de um aprendiz para uma empresa é 30 mil reais em um contrato de dois anos, por isso 400 mil vagas custariam 12 bilhões de reais.   “O governo pagaria metade dos salários e as empresas a outra metade e com isso seria possível criar até 400 mil vagas”, diz Humberto Casagrande, CEO do CIEE.

Segundo uma pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – FIPE, encomendada pelo CIEE, o impacto direto e indireto dos aprendizes na economia é de R$ 5,6 bilhões anuais.

O executivo diz que o cenário da aprendizagem no Brasil estava bem aquém do que prevê a legislação no pré-pandemia. “Menos da metade das empresas estavam atendendo à lei e contratando. Havia 2 milhões de jovens na fila esperando vaga”, diz Humberto.

Com a crise do coronavírus, a queda no número de aprendizes trabalhando foi da ordem de 30% no país. “Muitas empresas não renovaram os contratos, então os aprendizes estão saindo e ninguém entra no lugar”, diz.

Continua após a publicidade

Trabalho e educação

O programa de aprendizagem voltado para jovens de 14 a 24 anos é divido em duas partes, uma é a profissional (70%) e a outra é a parte educacional, com 30% do tempo dedicado a treinamento. “Isso faz com jovens que os jovens tenham um desenvolvimento ainda maior nos seus hards e soft skills e contribuindo na diminuição dos índices de evasão escolar”, diz Manuela.

  • Relacionadas

Uma pesquisa recente da Fundação Roberto Marinho com 21 mil jovens estudantes indica que três a cada 10 já consideraram não voltar a estudar por conta da pandemia.

A proposta do CIEE enviada ao governo é que a MP determine que os jovens comecem o programa pela parte educacional na modalidade online, por conta das recomendações de isolamento social e pelo fato de que muitas empresas estão trabalhando em esquema de home-office. “O jovem faria 60 dias iniciais de EAD e depois iniciaria o trabalho”, diz Humberto.

O CEO do CIEE disse à VOCÊ S/A estar otimista. Em reuniões recentes com membros do ministério, parlamentares e empresários, a proposta foi bem aceita. “ A proposta vai ser analisada. É um ganha –ganha”, diz.

A petição online é uma forma de manifestação adequada no atual momento em que a sociedade se encontra, diz Manuela. A meta é chegar ao simbólico número de 400 mil assinaturas. “Não temos condições de fazer cobranças físicas devido uma pandemia, e a petição tem um alcance maior pelo fato de ser online e acessível a um clique”, diz.  Para assinar é só clicar aqui

 Confira como abordar um recrutador de uma empresa para a qual você deseja trabalhar:

Como entrar em contato com um possível contratante?

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ S/A? Clique aqui e assine VOCÊ S/A.

Gosta da VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês