Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Blinde sua empresa contra o assédio sexual

Saiba o que as companhias podem - e devem – fazer para coibir o assédio sexual no ambiente de trabalho

Por Mariana Amaro Atualizado em 5 dez 2020, 19h12 - Publicado em 16 fev 2018, 04h00

Grandes nomes de Hollywood, como as atrizes Eva Longoria e Reese Witherspoon, se reuniram com 300 participantes no dia 1º de janeiro para divulgar um plano cuja missão é colocar fim ao assédio sexual no ambiente de trabalho nos Estados Unidos. A iniciativa foi uma das muitas respostas às cada vez mais frequentes denúncias envolvendo figuras emblemáticas do cinema, como o produtor Harvey Weinstein e o ator Kevin Spacey. No Brasil, o abuso do ator José Mayer contra uma figurinista na Rede Globo, no ano passado, também trouxe o tema à discussão.

Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho, 52% das mulheres já sofreram assédio sexual, moral ou psicológico em algum momento da vida profissional. Quando os casos veem à tona, não é apenas a carreira dos assediadores que fica abalada: as empresas que fecham os olhos ou se mostram coniventes com os fatos sofrem danos. “As pessoas começaram a atribuir ao tema a importância que ele merece”, diz Antonio Carlos Hencsey, líder de prática de ética e compliance da consultoria Proviti. “As organizações devem acompanhar essa evolução e não tolerar o abuso. O papel social da empresa passa por educar seus colaboradores sobre questões como respeito, limites e ética nos relacionamentos interpessoais. Uma vez alinhados esses valores e reforçada a comunicação sobre as diretrizes, a punição deve ser exemplar, sem exceções”, afirma.

Para Hencsey, a atuação justa da empresa inclui deixar à disposição meios para que as vítimas façam denúncias, até mesmo de forma anônima, e conduzir com seriedade as investigações sobre os casos. “A mensagem principal deve ser que a vítima não é culpada e não deve se sentir envergonhada nem pelo assédio, nem pela denúncia”, diz ele. “O assediador, por sua vez, precisa perceber que sua atitude não é tolerada e que haverá consequências.”

Para elaborar um plano de combate aos abusos, o perfil da empresa e de seus empregados deve ser levado em conta. “Palestras de terceiros podem ajudar a reforçar a seriedade do assunto e encorajar as vítimas a falar”, diz a advogada Juliana dos Santos, especialista em direito do trabalho.

Em caso de denúncias, a companhia precisa agir de forma rápida e sigilosa e avisar a alta direção. Cabe ao RH alterar as tarefas de trabalho para garantir que vítima e suposto agressor não trabalhem juntos no período da investigação e que a autora da denúncia não sofra retaliações.

Uma vez confirmado o assédio, o tratamento deve seguir a política de consequências da empresa, independentemente da posição hierárquica do assediador. Adicionalmente, é fundamental prover suporte às vítimas, mesmo que o abuso aconteça fora do ambiente profissional. “Realocar o empregado assediado é uma medida que também poderá ser adotada como forma de acolhimento”, diz Juliana. “E a ajuda psicológica é necessária, pois podem surgir danos, como depressão e síndrome do pânico, que muitas vezes não são identificados de imediato”, afirma a advogada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês