Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como lutar contra a homofobia no mercado de trabalho?

Em 17 de maio, o mundo celebra o dia contra a homofobia, transfobia e bifobia. Veja o que fazer para tornar o ambiente de trabalho mais inclusivo

Por Elisa Tozzi Atualizado em 15 dez 2020, 08h54 - Publicado em 15 Maio 2020, 16h53

O dia 17 de maio de 1990 foi histórico para a comunidade LGBT+. Naquela data, a Organização Mundial da Saúde (OMS) deixou de considerar que homossexuais sofriam de uma doença e a retirou a homossexualidade da lista de Classificação Internacional de Doenças. Por isso, a data se tornou um marco internacional do combate à homofobia, transfobia e bifobia. 

Embora já existam avanços importantes nestes 30 anos, como o reconhecimento das uniões homoafetivas e a autorização para retificação de nome de pessoas trans, a comunidade LGBT+ ainda tem grandes desafios pela frente para vencer o preconceito no Brasil. Foi há apenas uma semana (em 8 de maio de 2020), por exemplo, que o Superior Tribunal Federal (STF) derrubou a restrição de doação de sangue por homossexuais. Até então, o Ministério da Saúde e a Anvisa negavam aos homens que tivessem feito sexo com outros homens nos últimos 12 meses o direito de doar sangue.

“São conquistas históricas, porém frágeis. Vieram todas do STF e a corte está sujeita a mudança de opinião se houver alteração na composição de seus membros. Em pouco mais de uma década, já é possível formar maioria nova e, eventualmente, reverter esses avanços. Daí a importância de nos mantermos vigilantes”, diz Ricardo Sales, sócio da consultoria Mais Diversidade.

Insegurança e violência

É importante lembrar também que foi há menos de um ano (em 13 de junho de 2019) que o STF criminalizou a homofobia enquadrando os casos de discriminação sexual ou de identidade de gênero na Lei de Racismo. O passo é importante num país como o Brasil que registrou, entre janeiro e maio de 2019, uma morte por homofobia a cada 23 horas, de acordo com levantamento da ONG Grupo Gay da Bahia.

Outro dado, divulgado pela revista Spartacus (especializada na comunidade LGBT+), mostra que o Brasil caiu da 58ª para a 69ª posição no ranking de países mais seguros para os gays em uma lista de 197 nações. Talvez por tudo isso, 99% das pessoas LGBT+ se sentem inseguras no país, de acordo com relatório da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) .

“Nossos números de violência são expressivos. O direito à vida, que é um princípio básico do ser humano, é retirado dessa parcela da população”, diz Liliane Rocha, fundadora da consultoria Gestão Kairós. “Também há um desconhecimento imenso sobre diversidade sexual. As pessoas não compreendem as diferenças entre o sexo biológico do nascimento, a expressão, a orientação sexual e a identidade de gênero.”

E no trabalho?

Nos últimos anos, as companhias estão ficando mais atentas à inclusão. Não apenas porque é um tema importante socialmente, mas, também, porque diversidade gera mais retornos financeiros. Uma pesquisa da consultoria Mckinsey, por exemplo, mostra que empresas que se preocupam com a diversidade de gênero são 21% mais lucrativas.

Além disso, a diversidade também pode melhorar a criatividade. Uma pesquisa feita por professores da Nanyang Business School, de Singapura, e da Universidade de Finanças e Economia, de Xangai, mostrou que empresas sediadas em estados com leis anti discriminação aos LGBTI+ tiveram um aumento de 8% no registro de patentes.

Mas para que isso dê certo, as companhias têm que estimular as lideranças a abraçar a causa. “As empresas precisam trabalhar para uma cultura mais inclusiva, começando pela conscientização dos líderes e gestores”, diz Cristina Kerr, CEO da consultoria de diversidade e inclusão CKZ Diversidade. “Muitas vezes, o comportamento inadequado de fazer a piada e brincadeira é realizado pela própria liderança.”

A conscientização é o primeiro passo para que os funcionários LGBT+ se sintam acolhidos e possam ser quem são no trabalho, sem temer rótulos. E esse ainda é um longo caminho se olharmos os dados de uma pesquisa feita pela consultoria Santo Caos que revelou que 48% dos profissionais já sofreram preconceito por conta de sua orientação sexual ou identidade de gênero.

“Calar-se diante da homofobia não pode ser uma opção.  As empresas precisam ser transparentes no sentido de dizer o que acreditam e orientar seus funcionários em relação aos comportamentos esperados. É preciso, sim, investir em canais de ética e denúncia, mas acredito sobretudo em capacitação das pessoas, treinamento das lideranças e engajamento da rede de aliados nas empresas”, diz Ricardo.

Melhores práticas

Os consultores são unânimes em dizer que as práticas mais eficientes para as empresas são: conscientização da liderança, treinamentos internos, participação em fóruns externos de inclusão e criação de grupos de afinidades formado por pessoas que se querem falar sobre a inclusão. O escritório de advocacia Demarest, que tem 665 funcionários, está se engajando nesta causa nos últimos dois anos e criou três grupos de discussão: mulheres, raça e LGBT+

Continua após a publicidade

“O Programa de Diversidade e Inclusão tem o compromisso de contribuir para promover uma cultura organizacional respeitosa e inclusiva para que cada colaborador possa se expressar de forma autêntica, criativa e inovadora em um ambiente aberto, seguro e colaborativo”, diz Carlos Antonaglia, diretor de RH do Demarest.

Segundo o executivo, isso é importante para evitar que os funcionários gastem energia escondendo suas identidades. “De acordo com um estudo norte-americano realizado pela Human Rights Campaign, em torno de 62% das pessoas recém-graduadas na universidade que são lésbicas, gays e bissexuais ‘voltam para o armário’ quando começam no primeiro emprego”, explica Carlos.

Além de workshops e campanhas internas para sensibilizar os funcionários sobre os desafios da população LGBT+, o Demarest também coíbe comportamentos homofóbicos e discriminatórios, procura contratar profissionais trans e busca a representatividade do público LGBT+ em todas as faixas hierárquicas. O grupo de aliados, que é voluntário, já conta com 108 pessoas. “Há a percepção dos colaboradores, mensurada em pesquisa, de que o programa é um impulsionador de carreiras no escritório”, diz Carlos.

O que você pode fazer

Não são só as empresas que têm o poder de lutar pela causa LGBT+, os profissionais também têm seu papel. Veja a seguir os conselhos dos consultores Cristina Kerr, Liliane Rocha e Ricardo Sales para você se engajar.

Cristina Kerr, da CKZ Diversidade 
“Primeiro, é preciso reconhecer seus preconceitos, aqueles que vêm da sua família. Dou o meu exemplo. Na minha família, eu ouvia que era errado ser LGBT+. Eu precisei desconstruir isso convivendo com essas pessoas, conhecendo a história do outro.  Além disso, se você está ouvindo uma piada na empresa, não dê risada. Converse com quem fez a piada para conscientizá-lo. A mudança começa individualmente e com exemplos.”

Liliane Rocha, da Gestão Kairós
“Os profissionais também  devem liderar esse processo de mudança dentro da empresa. Vale falar sobre a valorização da diversidade sexual e estimular a liderança, a área de recursos humanos e seus pares a compreender que esse tema faz parte da vida e da realidade das empresas. Sugerir o que pode ser feito de diferente, participar das ações propostas pela empresa e liderar voluntariamente alguma iniciativa é colocar em prática ações que impulsionam a inclusão.”

Ricardo Sales, da Mais Diversidade
“O primeiro passo é se incomodar. Não aceitar passivamente que este seja um país ainda tão violento contra pessoas LGBT+, que morrem apenas por serem que são. O segundo, é sair da apatia e se mobilizar. Ninguém precisa ser LGBT+ para lutar contra a LGBTfobia. Os profissionais podem se engajar como aliados, manifestar seu desconforto quando ouvem piadas ou comentários preconceituosos, oferecer suporte a quem precisa de ajuda e de forma contínua atuar para a conscientização daqueles que estão à sua volta, seja em casa seja no trabalho – que nos últimos tempos viraram uma coisa só, aliás.”

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Você S/A?
Clique aqui e assine VOCÊ S/A por R$ 9,90 por mês.

E se você gosta da VOCÊ RH é só clicar aqui para ser nosso assinante, também por R$ 9,90 mensais.

     

     

     

     

     

     

    Continua após a publicidade

    Publicidade

    Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

    Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

    Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

    Impressa + Digital

    Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

    Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

    Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

    Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

    Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

    a partir de R$ 14,90/mês

    Digital

    Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

    Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

    Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

    Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

    App VOCÊ RH para celular e tablet, atualizado mensalmente

    a partir de R$ 12,90/mês