Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Liberty Seguros reduziu faltas ao permitir home-office

Outro ponto positivo da implementação do trabalho em casa foi a melhora dos indicadores de atendimento aos clientes

Por Ursula Alonso Manso Atualizado em 5 dez 2020, 19h13 - Publicado em 31 jul 2017, 05h00

A superintendente de operações da Liberty Seguros, Luciane Rodrigues, mora a 3 quilômetros de distância do escritório central da companhia, localizado no Brooklin, na zona sul de São Paulo. No entanto, não foram raras as vezes em que ela perdeu 1 hora no trânsito para chegar ao trabalho. Se isso acontecia com ela, imagine com os profissionais que vivem nos extremos da cidade. “Muitos perdiam de 2 a 3 horas de deslocamento para ir ao trabalho e outras de 2 a 3 horas para voltar para casa”, afirma a executiva.

O problema da mobilidade impactava na interação com os clientes, uma vez que o empregado começava o dia estressado e irritado. Isso sem falar nos atrasos e nas faltas. Entre 2014 e 2015, o absentismo chegava a 25% na diretoria de operações e sinistros da Liberty Seguros. Essa unidade, que responde pela área de atendimento aos segurados, concentra 600 funcionários, sendo que 500 deles ficam em São Paulo, e os demais estão espalhados por 69 pontos de venda no país.

A solução

Em setembro de 2014, a Liberty começou um projeto piloto de trabalho remoto, com duração de quatro meses. Foram selecionados dez funcionários de funções de atendimento e administrativas da diretoria de operações e sinistros. Os escolhidos viviam nos extremos de São Paulo e apresentavam melhor desempenho. “Começamos avaliando a estação de trabalho na casa dessas pessoas, para garantir que elas tivessem um espaço apropriado, sem muitos ruídos, com luminosidade adequada, mobília ergonômica e bom acesso à internet”, diz Luciane Rodrigues.

A Liberty ofereceu um kit com teclado, mouse, câmera e um dispositivo para conectar a rede corporativa remotamente. Nada mudou em relação ao horário de trabalho e à atividade desempenhada pela equipe. A cada 15 dias, eles conversaram individualmente com o RH para dizer como se sentiam estando longe dos colegas e do chefe. “Em dezembro, somente um funcionário pediu para voltar a desempenhar suas atividades na empresa e foi atendido”, afirma a superintendente. “O absentismo desse grupo ficou entre 2% e 3%, e a produtividade subiu, em média, 39% em relação ao restante da diretoria.”

Os resultados animaram a Liberty a estender, em fevereiro de 2015, a prática de home office a toda a área em período integral. De lá para cá, 129 profissionais (do total de 600 da unidade) trabalham todos os dias de casa — reservam só um dia para ir ao escritório participar de reuniões de resultado e feedback do gestor.

Projeto

Adoção de home office em horário integral para os funcionários do atendimento e em horário parcial para as demais áreas da empresa.

Continua após a publicidade

Principais resultados

Desde 2015, mais de 280 empregados aderiram ao home office. Funcionários do atendimento registraram produtividade, em média, 17% maior em relação àqueles que trabalham no escritório, com redução do tempo de atendimento de 8 para 6 minutos e meio.

O resultado

Em meados de 2016, a Liberty deu um passo além ao estender o home office aos departamentos administrativos. Por enquanto, 155 funcionários de áreas como recursos humanos, marketing, jurídico e auditoria aderiram ao programa. Nesse caso, foi adotado o modelo parcial, no qual o profissional pode trabalhar dois ou três dias por semana de casa. “Os gestores têm medo dessa prática, porque acham que vão perder o contato com o subordinado e o controle sobre suas atividades. Mas provamos que isso é falso e que muitas vezes o mau desempenho se dá porque a pessoa já chega cansada ao escritório”, afirma Luciane Rodrigues.

Na diretoria de operações e sinistros, os 129 profissionais que trabalham remotamente em tempo integral realizam, em média, 17% mais atendimentos do que aqueles que vão à Liberty todos os dias. As conversas com os clientes também são 15% mais rápidas e com maior grau de satisfação por parte dos segurados e dos corretores. “Temos vários casos de funcionários que puderam retornar à sua cidade, no interior do estado, depois que a política do home office foi adotada”, afirma a superintendente. A produtividade e o absentismo são acompanhados diariamente e, se caírem com o trabalho a distância, o empregado pode ter de voltar ao escritório para uma reciclagem de 15 a 20 dias. “Eles ficam loucos para sair desse castigo.

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)