Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Um negócio não tão atraente

O grupo DPSP desenvolveu um programa de estágio para mostrar aos jovens que trabalhar em uma farmácia pode ser tão interessante quanto atuar em um laboratório químico

Por Izabel Duva Rapoport Atualizado em 5 dez 2020, 19h14 - Publicado em 13 jul 2016, 10h28

O setor farmacêutico é um dos poucos mercados em ascensão em meio à atual conjuntura econômica. Por isso, grandes grupos  apostam na ampliação do número de farmácias para manter o crescimento. É o caso do Grupo DPSP, que inclui as redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo, que prevê a inauguração de mais de 100 lojas e a contratação de no mínimo 390 farmacêuticos até o fim de 2016. 

Apesar de positivos, os dados são alarmantes. “A demanda do varejo farmacêutico é maior do que a oferta de mão de obra”, afirma a gerente de RH, Cristiane Lamônica. Isso porque as universidades preparam o aluno do curso de farmácia para atuar principalmente nas fabricantes de remédio, mas deixam de ensinar conhecimentos específicos para o varejo. 

Além disso, para os recém-formados, trabalhar em uma loja é menos atraente do que estar dentro de um laboratório químico. Segundo Cristiane, o grupo DPSP tinha dificuldade para reter os estagiários depois de formados. “Não nos interessava contratar um aluno apenas para cumprir a carga horária de estágio, mas sim para efetivá-lo”, diz a executiva. Dessa forma, o Grupo DPSP precisava preparar o farmacêutico para uma carreira de sucesso no varejo, capacitando-o para situações que envolvem habilidades como comunicação, negociação, gestão de pessoas e questões relacionadas à legislação.

A solução 

Em julho de 2015, o Grupo DPSP colocou em prática o Programa de Desenvolvimento de Estagiários Farmacêuticos. Nele, o estudante passa o dia a dia nas farmácias para acompanhar de perto as atividades diárias do farmacêutico e do gerente da loja, e participa de treinamentos e encontros conduzidos pela equipe de RH, como visita ao centro de distribuição da companhia, por exemplo. Além disso, passam por avaliações semestrais. 

“Essa trilha de formação soma conhecimento técnico, comportamental e gerencial, que prepara o estagiário para assumir posição de liderança dentro das lojas, após a sua formação e contratação”, explica Cristiane. Depois de formado, o profissional continua com seu plano de desenvolvimento na Escola de Farmacêuticos, dentro da Universidade Corporativa do Grupo DPSP, na qual terá a oportunidade de migrar para outras áreas de interesse, como logística, marketing e recursos humanos. 

A primeira turma, com 25 alunos, será concluída em dezembro de 2016 e a segunda, com 22 estudantes, em junho de 2017, ambas com duração de 18 meses, realizadas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. “O programa deve acompanhar a nossa expansão”, informa Cristiane, que prevê a efetivação de todos os participantes até o momento. As vagas são divulgadas nas faculdades do setor, em feiras de estágio e nos canais de comunicação de empresas especializadas em vagas de estágio.  

O resultado 

A primeira edição do Programa de Desenvolvimento de Estagiários Farmacêuticos ainda está em andamento, mas as mudanças são perceptíveis. Hoje, a empresa registra uma redução de 29% do nível de rotatividade dos funcionários, comparando o primeiro trimestre de 2015 com o de 2016. Na diretoria de varejo, o índice é de menos 25% no mesmo período. 

“Percebemos que o nosso acompanhamento próximo, a possibilidade de efetivação e o plano de carreira são pontos atrativos para os estagiários. Enxergamos um envolvimento maior desses profissionais com a companhia, algo que estávamos buscando quando desenvolvemos esse projeto”, diz a gerente de RH. 

Continua após a publicidade

A meta é que 50% das 390 vagas previstas para até o fim de 2016 sejam destinadas a farmacêuticos líderes de loja. De acordo com Cristiane, 37% já estão preenchidas, e as restantes, até somar os 50%, serão ocupadas pelos estagiários oriundos do programa. Eles devem ser efetivados como gerentes adjuntos de loja — líderes capazes de assumir os novos pontos de venda das Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo. 

“Estamos com um grupo de estudantes cada vez mais alinhado ao perfil da empresa”, diz Cristiane Lamônica. Para ela, a possibilidade de efetivação em um cargo importante da companhia é algo que fica cada vez mais evidente aos olhos dos estagiários. As próximas edições do projeto de estágio terão duração de 12 meses e serão realizadas também na Bahia. 

Grupo DPSP

Negócio: varejo farmacêutico

Número de funcionários: 25 300

Número de lojas: 1 092

Número de lojas a serem abertas em 2016: 130

Quantidade de estagiários em processo de efetivação: 47

Sede: São Paulo (SP)

Faturamento em 2015: 7 bilhões de reais

Projeto: preparação de estagiários farmacêuticos para atuarem nas lojas. 

Principais resultados: redução de 29% no turnover e formação de novos líderes de lojas.

Continua após a publicidade
Publicidade