Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como a criminalização da homofobia poderá afetar as empresas

A criminalização da homofobia pode ter impacto direto na forma como as empresas desenvolvem suas políticas de inclusão e treinam seus funcionários

Por Alexa Meirelles, da VOCÊ RH Atualizado em 15 dez 2020, 10h34 - Publicado em 29 Maio 2019, 06h00

O debate sobre se a homofobia deve se transformar em crime não é de hoje. Em 2006 foi protocolado, pela então deputada Iara Bernardi (PT-SP), o primeiro projeto de lei que visava tornar crime a “discriminação ou preconceito de gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero”.

Mas foi em 2019 que a possibilidade da criminalização se tornou mais real. O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar no dia 13 de fevereiro duas ações sobre o tema — a Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão 26, cujo relator é o ministro Celso de Mello, e o Mandado de Injunção 4733, de relatoria do ministro Edson Fachin.

Os documentos questionam a “omissão” por parte do Congresso Nacional em legislar sobre o tema, já que a violência contra a comunidade LGBTI+ é uma realidade. Além disso, solicitava que o STF enquadre a homofobia como crime de racismo até que o Legislativo crie uma lei específica.

Até então, seis ministros (incluindo os relatores) já votaram — todos a favor da pauta. Considerando que a corte é formada por onze membros, a maioria já decidiu, então, enquadrar casos de homofobia e transfobia como crime de racismo. A discussão deve ser retomada no dia 5 de junho para que os outros magistrados votem.

Sem piadinhas

É importante saber que a medida não vai abarcar apenas os casos graves, como lesão corporal e homicídio, mas todas as manifestações preconceituosas. Assim, o ambiente corporativo pode ser impactado diretamente pela aprovação da criminalização levando em conta a discriminação e a violência verbal.

Para a advogada Bruna Andrade, criadora da startup Bicha da Justiça, que reúne advogados que trabalham a serviço da população LGBTI+, a criminalização é importante para quantificar os casos.

“Não existem números concretos de crimes de homofobia. Quando você criminaliza, passa a tipificar de forma correta. Isso gera dados que podem se transformar em políticas públicas de combate mais efetivas.”

Continua após a publicidade

E talvez isso possa ajudar os funcionários que sofrem preconceito a se sentir mais seguros em denunciar. “Ainda não acontece de os trabalhadores tomarem essa decisão de forma imediata. Eles ficam sofrendo e agem quando deixam o empregador”, diz Bruna.

Segundo a advogada e especialista em direito do trabalho Maria Inês Vasconcelos, o principal motivo é a insegurança. Movido pelo medo, o trabalhador vitimado se encolhe, ainda que deva recorrer à Justiça. “Comprovando-se que o empregado realmente sofreu uma violência em suas liberdades constitucionais, a empresa vai ser punida. A Justiça do Trabalho vai reparar os prejuízos sofridos.”

O papel das empresas

Existe um esforço das organizações em contratar funcionários LGBTI+. Mas só isso não é o bastante. É preciso se preocupar com o tipo de violência que esse empregado pode vir a sofrer.

“O fato de uma pessoa praticar discriminação pode causar dispensa por justa causa. Mas, de modo geral, não é o que acontece”, diz Bruna.

Com a possível criminalização da homofobia, as companhias vão começar a ficar em estado de alerta e serão obrigadas a adotar práticas de combate à discriminação. “Nem sempre, mas muitas vezes, o preconceito é motivado pela desinformação”, afirma Ricardo Sales, sócio da consultoria Mais Diversidade.

Por isso, é preciso treinar o pessoal e criar uma rede de aliados, funcionários que não são LGBTI+ mas que defendem a causa desse grupo. Além disso, as organizações terão de se preparar para lidar com denúncias sobre preconceitos e abrir (ou fortalecer) canais anônimos para que os funcionários se sintam seguros em compartilhar seus problemas. “Toda a empresa pode fazer algo. Não é educação para a aceitação, e sim para o respeito”, diz Ricardo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)