Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Para chefe de inovação do Google, só inova quem tem empatia

Em entrevista, Frederik G. Pferdt, líder de inovação do Google e professor de Stanford, explica por que se colocar no lugar do outro é tão importante

Por Elisa Tozzi Atualizado em 7 set 2021, 12h59 - Publicado em 9 set 2021, 07h00

A inovação está muito mais próxima do que imaginamos. É nisso que acredita Frederik G. Pferdt, chefe de inovação e evangelista do Google. Para ele, o mais importante para ser criativo é adotar algumas atitudes que estão ao alcance de todos os profissionais: procurar sair do piloto automático para não seguir fazendo as coisas do mesmo jeito sempre e se abrir para as perspectivas dos outros – sendo o mais empático possível. A empatia, aliás, é a força-motriz para a criatividade. “A empatia desempenha um papel muito importante na inovação, provavelmente o maior”, diz Frederik em entrevista exclusiva para a VOCÊ RH.

O especialista, que também é professor na Universidade Stanford, será um dos palestrantes do Kenoby Talks 2021, evento gratuito e online organizado pela startup de recrutamento, que começa no dia 13 de setembro e está com as inscrições abertas (acesse aqui).

Na entrevista a seguir, Frederik explica como desenvolver uma mentalidade inovadora e mostra o que as empresas devem fazer para incentivar esse comportamento.

Muita gente vê a inovação e a criatividade como as realizações de pessoas iluminadas. Essa crença é perigosa?

Todos podem desenvolver a capacidade de inovar e todos são criativos. O que observamos é que nem todos estão suficientemente confiantes para agir com base em suas ideias.  Assim, investir na confiança ajuda a ter a coragem de descobrir e resolver os problemas de forma criativa e de fazer algo a respeito deles. 

Aprendemos que o futuro é, por definição, ambíguo e incerto. Também aprendemos que tudo se desenrola de forma diferente e provavelmente inesperada. E o mais importante: a mudança é constante. Acima de tudo, aprendemos que podemos transformar problemas em oportunidades. E quanto maior for o problema, maior é a oportunidade. Por exemplo, algo que me apaixona é a educação. Como professor adjunto na Universidade Stanford, mudamos o método de ensino para 100% virtual e nos comprometemos com os nossos alunos toda semana, através de vários canais de comunicação. 

No Google, a tecnologia tem acelerado a nossa missão de tornar a informação acessível e útil para o maior número de pessoas possível. Pessoas do mundo inteiro recorrem ao Google para encontrar ajuda. Na educação, os meus três filhos usam o Google Classroom, o Google Meet, o Youtube e o Google Docs diariamente e começaram a se adaptar a essa nova era de aprendizagem, que acontece em qualquer lugar e a qualquer hora. 

  • Você costuma dizer que a empatia e a inovação estão fortemente ligadas. Por quê?

    A empatia desempenha um papel muito importante na inovação, provavelmente o maior. A empatia descreve a capacidade de mudar a perspectiva de cada um. E permite compreender a forma como outra pessoa pensa. Os empresários podem colocar-se no lugar dos seus clientes para melhor compreenderem quais são as necessidades e os problemas deles? Se eu for empático, posso oferecer melhores soluções. Quando trazemos novas perspectivas, é possível ver as coisas de forma diferente e assim, surgem novas ideias. Mas para fazer isso, é preciso primeiro convidar pessoas com perspectivas diversas para se expressar e trocar ideias. Talvez isso seja algo que possamos fazer avançar um pouco, algo que outras organizações possam levar consigo.

    Continua após a publicidade

    No Google, quando mostramos empatia pelas pessoas, desenvolvemos sempre soluções melhores para a maioria. Compreender as necessidades das pessoas cegas e surdas sobre a forma como utilizam a tecnologia, por exemplo, nos ajudou a fazer progressos incríveis na fala para aplicações de texto e outras tecnologias que agora são úteis para todos, como o  Google Assistente ou Google Tradutor.

    Você criou o The Garage, no Google, para estimular a inovação. Quais foram as maiores lições aprendidas com a experiência?

    O espaço é importante, influencia a forma como pensamos e sentimos. Hoje em dia, trabalhar e aprender em casa ou em qualquer lugar é provavelmente o que todos nós vivemos no momento. Ainda estou tentando descobrir quais ambientes nos ajudam a pensar de forma mais criativa e nos ajudam a colaborar com eficácia e experimentar para ultrapassar limites. Uma lição que aprendi no The Garage foi que ter um espaço dedicado pode criar um sentimento de pertencimento. Agora que operamos em um espaço virtual, a questão permanece: como podemos criar um sentimento de pertencimento?

    Quais são as atitudes que impedem as empresas de inovar e como combatê-las?

    O caminho para o sucesso deve ser focado na experimentação, que requer o desenvolvimento de uma mentalidade. Durante a pandemia, estamos passando por um período de experimentação sem precedentes, desde o professor que teve que se adaptar à educação online, até os serviços do dia a dia que foram digitalizados, como pedir uma comida no restaurante ou estudar um novo idioma. Todos nós tivemos que aprender a trabalhar e a aprender de forma diferentes. Provavelmente, a maior experiência na história do trabalho profissional. Estamos todos aprendendo, mas começar a experimentar não foi fácil. 

    Uma das atitudes que percebo que impede as empresas de inovar e que está por trás de não experimentar algo novo é a nossa tendência de permanecer no piloto automático: fazer as mesmas coisas diversas vezes da mesma forma. Se queremos inovar, precisamos deixar o nosso caminho usual e tentar algo novo e diferente. Precisamos sair do piloto automático.

    Quando trabalhamos em equipe sabemos que podemos criar um ambiente no qual as pessoas se sintam suficientemente seguras para experimentar coisas novas. Investir mais em segurança psicológica para que as pessoas se sintam suficientemente seguras para assumir riscos é uma forma de ajudar as empresas a inovar.

    O que você faz pessoalmente para se manter criativo? 

    Tento nunca fazer as coisas duas vezes do mesmo jeito, quebro as minhas rotinas. Isso significa, provavelmente, nunca comer no mesmo restaurante ou ficar duas vezes num hotel. O objetivo é tentar coisas novas para aprender algo novo. Recentemente, aprendi como erguer e gerir uma Cúpula Geodésica para cultivar alimentos de forma sustentável e como construir a nossa própria escola para os nossos filhos. A maior parte da minha inspiração vem dos meus três filhos e das perguntas que eles fazem. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade