Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Na Fundação Pró-Rim, só brilha quem estuda muito

A fundação quer deixar um legado científico, e estimula a apresentação de trabalhos em congressos, publicações científicas e palestras

Por Bárbara Ladeia Atualizado em 5 dez 2020, 20h48 - Publicado em 27 mar 2013, 12h14

Joinville (SC) – Uma das grandes preocupações da Fundação Pró-Rim, em Joinville (SC), é a construção de um legado científico. Essa intenção fica clara especialmente pelo suporte oferecido pela instituição a seus funcionários para atividades de pesquisa.

Em 2011, eles apresentaram 16 trabalhos em congressos, ministraram 12 palestras e tiveram duas publicações em revistas científicas.

Tudo subsidiado pela instituição filantrópica, especializada no atendimento de pacientes com doenças renais crônicas. E essa é a principal receita para quem pretende ter vida longa na Fundação. “Aqui só tem um caminho para ser reconhecido: estudar muito”, diz um funcionário. Anualmente, os gestores planejam a agenda de treinamentos junto com as equipes.

Para bolsas de estudo, a empresa abre todo ano um edital e oferece de 40% a 80% de auxílio, dependendo da afinidade entre o curso e os negócios. Em 2011, foram investidos 106.000 reais em bolsas e mais 150.000 reais na capacitação do time. Essas cifras devem aumentar nos próximos anos, com a construção do Hospital Pró-Rim.

Um atraso na liberação do alvará adiou a inauguração do novo prédio, agora prevista para 2015, com 180 leitos, unidade de terapia intensiva e pronto-socorro. Com a expansão, há previsão de contratar 750 profissionais.

Para formar essa mão de obra, a instituição coordena o Instituto Pró-Rim de Educação e Pesquisa, com cursos técnicos, de graduação e pós-graduação nas áreas de saúde que serão demandadas pelo hospital.

A dedicação à ciência, no entanto, não ofusca o tradicional espírito altruísta dos empregados da Fundação Pró-Rim. “Nosso lema é ‘gente com amor’ e nosso trabalho é salvar vidas”, diz um funcionário.

Na visão das equipes, a satisfação com o trabalho acaba compensando a baixa competitividade da remuneração, já que, por ser uma entidade filantrópica, a Fundação é proibida de distribuir lucros. Para compensar, são oferecidos diferenciais no pacote de benefícios, como o apoio jurídico e o auxílio-creche.

PONTO(S) POSITIVO(S) PONTO(S) A MELHORAR
Elogiado, o Encontro dos Pacientes e Funcionários, realizado anualmente, permite a interação entre as equipes, os pacientes e seus familiares. Para a maior parte da equipe, os médicos — que administram a Fundação — ainda têm pouca habilidade em gestão de negócios.
Continua após a publicidade
Publicidade