Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Na GVT, 60% dos gerentes começaram a carreira lá dentro

A empresa disputa funcionários em Curitiba, onde fica sua sede. A cidade tem apenas 2% de desemprego, um dos menores índices do país

Por Lucas Rossi Atualizado em 5 dez 2020, 20h49 - Publicado em 21 mar 2013, 15h24

Curitiba (PR) – Quando uma criança está em fase de crescimento, de um dia para outro tudo muda. Algumas partes do corpo doem; ao andar, ela esbarra em tudo, e o rosto começa a tomar forma. A GVT, prestadora de serviços de comunicação, está justamente nesta fase de sua história. Fundada no final de 2000, em Curitiba (PR), a companhia dobrou de tamanho de um ano para outro.

Em 2010, eram 7.714 funcionários. No ano passado, o quadro saltou para 14 549 — crescimento de quase 50%. Como todo adolescente, o quarto está bagunçado. Atualmente, a sede está fragmentada em dez prédios na capital paranaense. “Muitas vezes, para fazer uma reunião, demoramos mais no trajeto até o outro prédio do que no próprio encontro”, diz um funcionário.

Para sustentar sua principal estratégia, a de oferecer serviço com qualidade, é preciso encontrar profissionais competentes — um desafio para as empresas localizadas em Curitiba, cidade que tem apenas 2% de desemprego, a menor taxa do país. A solução adotada foi contratar pessoas que já estavam inseridas na sua cultura, como terceiros e estagiários, e abrir um programa de trainees para acelerar o desenvolvimento da liderança.

Além disso, o crescimento forçou a promoção dos talentos. Só em 2011, 1 537 pessoas foram movimentadas, o que significa que praticamente 10% de todo o quadro mudou de cargo ou área. Atualmente, 60% de todos os gerentes começaram dentro da GVT. “Temos uma cobrança muito grande da área de RH para sermos o modelo dos valores”, afirma um líder.

Preocupada em não perder seus valores por causa do crescimento, a empresa vem investindo em comunicação. No final do ano, lançou a tevê interna, já vista com frequência por 75% dos funcionários. Em 2006, primeiro ano que a GVT entrou neste Guia, ela tinha apenas 2.307 empregados e seu IQAT era de 79,1. De lá para cá, apesar do expressivo crescimento, ela conseguiu não só se manter como até registrar um ligeiro aumento no seu índice de felicidade. A ideia é que a cultura também seja preservada. 

PONTO(S) POSITIVO(S) PONTO(S) A MELHORAR
O RH colocou consultores nas pontas, pois a empresa é muito espalhada. Isso deu mais dinamismo para as contratações e soluções dos problemas. Os funcionários sentem que podem crescer junto com a empresa, mas não sabem o caminho. Também gostariam de ter academia e previdência privada.
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

App VOCÊ RH para celular e tablet, atualizado mensalmente

a partir de R$ 12,90/mês