Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Na Telefonica Vivo, tem celular com conta paga para todos

Não é qualquer conta: trata-se de pacote de dados ilimitado e 100 minutos de ligações para todo o time

Por Marcia Kedouk Atualizado em 5 dez 2020, 20h49 - Publicado em 26 mar 2013, 16h31

São Paulo (SP) – O cenário de aquisições e fusões é sempre complexo. Além de as equipes precisarem se adaptar às novas demandas, as demissões na reestruturação afetam diretamente a vida de quem fica e, consequentemente, o clima da empresa. Em pleno processo de convergência de marcas, a Telefônica Vivo está passando por esse momento delicado e, ao que os números indicam, tem feito um ótimo trabalho.

Com um índice de satisfação de 85,7%, apontado por seus funcionários na pesquisa interna de clima, a companhia parece driblar até a turbulência que sua matriz passa devido à pesada crise na Espanha, onde está sediada.

A fórmula para chegar a esse resultado em tão pouco tempo? “Agilidade, para que fosse o menos traumático possível; comunicação transparente, para reduzir a sensação de insegurança; união de culturas, em vez de sobreposição; e, acima de tudo, respeito pelas pessoas”, diz Sandra Lima, diretora executiva de recursos humanos.

A oficialização da operação aconteceu na sede, em São Paulo, e foi transmitida simultaneamente para todo o Brasil por webcasting e videoconferência. Os profissionais receberam no celular mensagens de voz do presidente da Telefonica Vivo, Antonio Carlos Valente, e os 5.000 empregados das lojas contaram também com um material que explicava os detalhes da operação.

Mas a principal ferramenta de comunicação foi o hotsite, na intranet, que forneceu informações atualizadas sobre as mudanças e as novas políticas, um misto das melhores práticas de cada empresa, como a ampliação da concessão de um celular com uso ilimitado de dados e serviços mais pacote de 100 minutos para todo o time, antes restrito à equipe da Vivo.

A companhia concluiu em junho a equiparação dos benefícios. Os salários ainda estão sendo ajustados, mas as promoções seguiram a todo o vapor: foram 4.138 de janeiro a dezembro. Para o processo de desligamento de 1.500 pessoas, foi contratada uma consultoria, que ajudou tanto nas decisões quanto na orientação dos gestores para lidar com a situação. Todos os que deixaram a empresa contaram com assessoria de recolocação profissional e prorrogação do plano de saúde por seis meses.

PONTO(S) POSITIVO(S) PONTO(S) A MELHORAR
Cidadania é um ponto forte. Em 2011, 3.000 funcionários em 12 cidades brasileiras fizeram trabalho voluntário em escolas, creches e outras instituições. Os funcionários acreditam que as promoções poderiam ser mais transparentes e que o plano de carreira deveria ficar acessível a todos na intranet.
Continua após a publicidade

Publicidade