Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

70% dos brasileiros diminuem o tempo do desemprego no currículo

Especialista afirma que os recrutadores costumam não enxergar com bons olhos um tempo muito longo de desemprego, mas que é melhor ser sincero

Por Letícia Furlan Atualizado em 3 nov 2021, 17h45 - Publicado em 5 nov 2021, 07h00

Uma pesquisa realizada pelo Grupo DNA, multinacional de tecnologia em recursos humanos, mostrou que muitos candidatos ainda mentem informações no currículo para aumentar as chances de contratação. Entre as mentiras mais comuns, estão questões relacionadas à proficiência em inglês, o valor do último salário recebido e até mesmo dados acadêmicos. E os profissionais do Brasil se destacam ao alterar o tempo em que ficaram desempregados.

O levantamento, feito com mais de 11.000 pessoas no Brasil, Chile, Peru e Colômbia, constatou que 75% dos brasileiros não fornecem informações corretas na redação e envio de seus currículos. Para Murilo Arruda, CEO do Grupo DNA, essa é uma prática reprovável e ineficaz para uma recolocação.

“Ao ocultar um ponto débil do currículo, o profissional está correndo o risco de ser eliminado por perda de confiança em um processo no qual, talvez, fosse aprovado, incluindo suas desvantagens. A confiança neste profissional – ainda mais em épocas pós-pandemia e home office – é a característica mais avaliada e valorizada em um candidato”, afirma Murilo, que aconselha que os candidatos tratem suas fragilidades com transparência, sejam quais forem. Trazer a verdade à mesa pode, inclusive, jogar a favor do candidato, já que ele mostra ao recrutador ser uma pessoa confiável e transparente desde o início.

Muito tempo de desemprego prejudica a recolocação?

Quando às mentiras do tempo de desemprego, Murilo compreende o lado do candidato. Isso porque é comum que o recrutador tenha preconceito com um profissional que não se recolocou rapidamente, chegando a duvidar de sua capacidade. “O fato é: quem recruta, no final do dia, realmente acaba ficando com um pé atrás com quem leva muito tempo desempregado, preterindo-o em relação a alguém que está a menos tempo nesta situação”, afirma Murilo.

Segundo o CEO, o período de seis meses costuma ser a “data de corte” que os recrutadores utilizam para começar a levar em conta a questão do tempo de desemprego. É por essa razão que tantos candidatos se sentem tentados a maquiar a informação, mudando a data de saída da antiga empresa, colocando uma “consultoria” no meio tempo ou mesmo um “período sabático”.

Outras mentiras

Além disso, o levantamento também constatou que 60% dos brasileiros alteram os dados reais sobre o nível de inglês e, em 35% dos casos, há informações falsas sobre o valor dos salários anteriores. Mas os brasileiros não são os que mais mentem no currículo. Os colombianos ficam com o primeiro lugar, com 82% dos entrevistados exagerando nas informações, seguidos pelos peruanos com 78%. Os chilenos ficam logo atrás, com 72%.

Ainda que não justificável, a porcentagem de mentiras ou maquiagens em algumas debilidades aumentou bastante durante a pandemia, afirma Murilo. “Os números relacionados a dois anos atrás são significativamente mais baixos que os de 2021. Os tempos de recolocação aumentaram e as taxas de desemprego também. Portanto, cresceu a competição por uma mesma posição no mercado. Além da entrevista, muitas vezes, não ser presencial”, explica.

Quer ter acesso ao conteúdo exclusivo de VOCÊ RH? Clique aqui para se tornar nosso assinante.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)