Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Perdoar (e ser perdoado) é essencial para um bom ambiente de trabalho

O perdão está relacionado ao aumento da produtividade, à diminuição do absentismo e a menos problemas de saúde no escritório.

Por Luisa Costa
30 ago 2023, 17h17

Um colega de trabalho pisa na bola com você. Não cumpre a tarefa importante para a operação que está em suas mãos, rouba a sobremesa que você deixou na copa ou deixa escapar aquele seu podre numa conversa, bem na frente do chefe. Inadmissível. 

Você, então, decide que o dito-cujo não é digno de sua simpatia, guarda rancor pelo vacilo por semanas (ou meses) a fio e até planeja, silenciosamente, uma vingança. Somos todos humanos – atire a primeira pedra quem nunca esteve em uma situação do gênero. 

O problema é que guardar rancor não é ruim só para você, que gasta memória RAM com um acontecimento chato do passado, contaminando o presente. Não perdoar nem buscar um entendimento com seu colega pode prejudicar a comunicação, piorar a convivência e botar em jogo a eficiência no ambiente corporativo.

É o que defendem especialistas em inteligência emocional no trabalho, como Heloísa Capelas, autora do livro Perdão, A Revolução Que Falta. A capacidade de perdoar seu colega que pisou na bola seria um dos pilares essenciais para a construção e manutenção de um dia a dia emocionalmente saudável.

Continua após a publicidade

Mas perdoar a si mesmo também é considerado uma atitude-chave para aceitar quem nós somos e aprimorar o autoconhecimento – que, aliado à empatia, à comunicação clara e à boa gestão de críticas, pode garantir um escritório mais equilibrado e funcional.

A jornada ESG é ampla nas empresas. Promover um ambiente que é saudável emocionalmente e, ao mesmo tempo, produtivo está colado às boas práticas [de gestão]”, afirma Capelas. “E o perdão é um grande aliado nesse processo.”

Alguns estudos apoiam o potencial do perdão. Em um deles, publicado em 2016, mais de 250 funcionários dos Estados Unidos responderam a questionários sobre bem-estar e produtividade. Resultado: o perdão esteve associado ao aumento da produtividade, à diminuição do absentismo e a menos problemas de saúde, como dores de cabeça.

Há também pesquisas que mostram que adotar o perdão em conflitos de trabalho pode impactar positivamente até quem não está envolvido na briga, porque isso pode estimular emoções positivas e vantajosas para a tomada de decisões e a qualidade dos relacionamentos no escritório.

Continua após a publicidade

Por isso, é importante estar disposto a relevar o roubo de sobremesa – mas também assumir a responsabilidade por seus próprios erros, para incentivar o perdão alheio. 

Especialistas também defendem que líderes se esforcem para ser um modelo de perdão no trabalho e que os profissionais do RH conduzam intervenções para resolver conflitos ou invistam em iniciativas relacionadas à inteligência emocional. (Confira dicas para desenvolvê-las nessa matéria.)

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.