Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Vai contratar? Veja os desafios dos processos seletivos durante a covid-19

Empresas precisaram adaptar o processo seletivo e integração de novos funcionários por causa do isolamento social

Por Juliana Américo Atualizado em 15 dez 2020, 08h49 - Publicado em 5 jun 2020, 12h00

A pandemia do coronavírus gerou uma paralisação na economia e, por consequência, o número de desempregados voltou a subir. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), a taxa de desemprego subiu para 12,6% no trimestre encerrado em abril – o que representa 12,8 milhões de pessoas. No entanto, aos poucos, as empresas estão voltando a contratar. 

Um estudo da  especialista em recrutamento Spring Professional identificou que, apesar de 51% dos setores estarem com as contratações congeladas, 19% seguem com os processos seletivos normalmente – o destaque é para os mercados de tecnologia (23%), alimentos (20%) e farmacêutico (13%). Além disso, 67% das empresas pretendem retomar integralmente as contratações que estão paradas. 

Segundo a pesquisa, o maior desafio para aqueles que mantiveram as contratações foi adaptar o processo seletivo para ser feito totalmente de forma remota – 55% das organizações precisaram efetuar mudanças significativas em seus processos admissionais e de integração.

A TecBan, administradora do Banco24Horas, faz parte da lista de organizações que não interromperam os processos de seleção e precisou se adaptar. “Desde que a quarentena se iniciou, todos os processos seletivos passaram a acontecer de forma online com entrevistas realizadas por videoconferência”, explica Marina Bertollucci, superintendente de RH e Sustentabilidade da empresa. Entre os meses de março e abril, a companhia contratou 186 profissionais em 32 cidades brasileiras para trabalhar em áreas como marketing, comunicação, administrativo, manutenção, tesouraria, TI e operações.

O mesmo aconteceu com a plataforma de compra e venda online OLX. Segundo com Sérgio Povoa, diretor de recursos humanos da companhia, nos dois primeiros meses da pandemia foram contratados 14 novos funcionários e ainda existem em torno de 30 vagas abertas para as áreas de finanças, tecnologia, produtos e operacional. “A nossa decisão foi de manter a estratégia de crescimento de médio e longo prazo mesmo com a pandemia. Nós somos uma empresa muito digital, então já tínhamos contratações remotas em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro”, explica. 

Integração à distância

O processo de seleção remoto não é tão complexo e já faz parte da rotina de muitas empresas. Mas a necessidade da integração à distância é novidade para a maioria – principalmente porque é nesse primeiro contato que o profissional vai conhecer de fato a empresa e a cultura corporativa. O estudo da Spring Professional identifica que 94% das empresas alegam que os candidatos estão confortáveis e compreendem a necessidade dessas mudanças, e entendem que isso não irá atrapalhar seu processo de integração. Além disso, 80% das companhias que implementaram mudanças no processo de onboarding alegam que pretendem manter (ou adaptar) essas inovações, mesmo após o fim do isolamento.

“A dúvida era: como fazer aquela primeira semana de imersão e compartilhar a cultura da empresa? E a solução foi intensificar alguns rituais, como o contato com os parceiros que ajudam a pessoa a se ambientar, o e-mail de apresentação, reuniões diárias com o gestor e com a equipe, além do feedback no final da primeira semana”, explica Rui Brandão, CEO do Zenklub – a plataforma de bem-estar e saúde emocional tinha 25 colaboradores em fevereiro; hoje já são 50 e existem mais 15 vagas abertas para as áreas de vendas, experiência de usuário, atendimento e TI. 

Continua após a publicidade

Outra solução encontrada foi o envio do kit de boas-vindas para a casa do funcionário. Na TecBan, além do kit, os novatos também recebem uma agenda de reuniões com os executivos para poder conhecer o negócio. “Apesar da distância física, queremos que os novos membros se sintam acolhidos”, afirma Marina. Já na OLX, a integração era feita em forma de café da manhã; agora, os encontros são online. “Participam dois profissionais do RH e um do service desk, que fornece todas as instruções para acessos a sistemas internos via VPN”, explica Sérgio. 

Nova geração

Os estagiários também foram afetados pelo covid-19. Segundo Humberto Casagrande, presidente da associação Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), houve uma queda no número de jovens que estavam trabalhando e nas contratações. “No caso dos estagiários, nós tínhamos em torno de 200 mil trabalhando e agora são 170 mil. Muitas empresas demitiram ou então não renovaram os contratos. Além disso, foi registrada uma queda de 85% nas contratações de abril. Para os jovens aprendizes, existe uma certa estabilidade porque os contratos são de 24 meses”.

Ele lembra que a contratação de estagiários pode ser vantajosa para as empresas em momentos de crise – e o motivo não é o fato que os encargos trabalhistas serem menores. “As novas gerações estão muito mais próximas dos consumidores e clientes principalmente por causa das redes sociais. Eles dominam a linguagem, se adaptam mais fácil”, explica.

Além disso, os jovens profissionais são os gerentes do futuro. Pelo menos, é assim que a Danone enxerga o seu programa de estágio. Com 25 vagas abertas, além de outras para vagas CLT, a companhia também adaptou todo o seu programa de contratação e integração para a nova realidade. “A empresa entende que o programa de estágio é a porta de entrada para reter e desenvolver os funcionários que vai se manter na empresa por muitos anos, tanto que 70% dos nossos estagiários são efetivados no final do contrato. E nesse momento de crise, que vamos passar por uma transformação de negócio e modelo de trabalho, manter o programa faz ainda mais sentido”, afirma Pollyana Padua, Gerente Executiva de Talentos da Danone.

Na visão da executiva, a seleção 100% on-line foi uma novidade, mas trouxe vantagens como a agilidade e possibilidade de entrevistar mais candidatos. “O onboarding sim é um desafio. A gente manda um kit de boas-vinda e o equipamento para a casa da pessoa com antecedência e no primeiro dia de trabalho o RH liga para passar todas as orientações, tranquilizar o profissional e colocar em contato com a equipe, completa.

Liderança a distância

A Ciência já provou que as teleconferências são tão exaustivas e gerir equipes em home office é um desafio que exige organização e flexibilidade. Confira:

  • Relacionadas

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ S/A? Clique aqui e assine VOCÊ S/A .

Gosta da VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês