Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Ética faz bem à saúde

É possível fomentar uma cultura negocial saudável nas organizações e incentivar o abandono de qualquer prática empresarial condenável

Por Daniele Pimenta de Mello Bittencourt Lopes* Atualizado em 5 dez 2020, 19h14 - Publicado em 4 Maio 2016, 09h00

A busca por uma atuação transparente e responsável tornou-se imperativa nas corporações no mundo todo. Para ser líder em um mercado competitivo, é preciso, acima de tudo, prezar pela ética. E como não poderia ser diferente, essa busca também é uma tendência na América Latina. Não à toa vemos países como o Brasil, Chile, Colômbia e México publicarem leis anticorrupção a fim de impor sanções aos esquemas de corrupção que envolvem instituições públicas e privadas, bem como seus representantes. 

E o que episódios como os da La Linea Scandal, na Guatemala, da SAP International Inc., no Panamá, do Caso Carrusel, na Colômbia, e a Operação Lava-Jato, no Brasil, e tantos outros que não param de surgir nos levam a concluir? Que a América Latina tem uma cultura de corrupção inegável? Não. Definitivamente não tem. Corrupção não é uma questão de cultura, mas, como muito bem definiu Cláudio Weber Abramo, diretor-executivo da Transparência Brasil, citado por Roberto Livianu em seu livro sobre o tema, “a consideração predominante (sobre a corrupção) é econômica e não moral” (in Livianu, Roberto. Corrupção. Ed. Quatier Latin. 2014. pág. 11). 

A meu ver, a corrupção floresce onde reina a certeza da impunidade e as instituições estão enfraquecidas. Isso significa que o conjunto formado pelas “oportunidades” e a crença no baixo risco de punição é que compõe o cenário propício e incentivador para as más práticas. E foi, exatamente, essa a aposta daqueles envolvidos nos casos aqui citados e em tantos outros de que temos notícia. 

E, nesse cenário, somente uma área de compliance independente, bem estruturada, capitaneada por profissionais atuantes, experientes e com excelente formação é capaz de mitigar o risco de exposição das empresas e executivos que fazem negócios em ambientes mais tolerantes com a corrupção. Isso porque somente por meio de um programa de compliance ágil e eficaz, criado para prevenir, detectar e reagir com o necessário rigor às práticas em desacordo com os valores éticos da organização para a qual foi criado, voltado à conscientização constante dos seus colaboradores, parceiros e fornecedores é possível fomentar uma cultura negocial saudável nas organizações e incentivar o abandono de toda e qualquer prática empresarial condenável. Programas de conformidade globais são padronizados. Mas a maneira como eles são implementados em cada país, em cada região, deve levar em consideração a cultura local, a fim de compreender como desconstruir valores regionais que são usados para tolerar práticas eticamente equivocadas e incutir conceitos totalmente novos, disseminando uma cultura mais saudável, em linha com os valores éticos globais. O que o que não é aceitável na Europa ou na América do Norte, também, não é tolerável na América Latina, na África ou na Ásia. Não é possível ter critérios diferentes para lidar com as mesmas questões em diferentes países. Em matéria de compliance, coerência é fundamental para a credibilidade do programa. Afinal, princípios são princípios, e não é possível flexibilizá-los para justificar a aceitação do inaceitável, usando como desculpa as práticas equivocadas de mercado de um ou outro país. 

Quando se conduz os negócios com integridade o resultado é muito simples: colaboradores orgulhosos da empresa em que trabalham e, por óbvio, mais motivados, imagem corporativa reforçada, gerando a valorização da marca, clientes fidelizados e um mercado de atuação mais saudável. A opção pela conformidade não é só a evidência do compromisso empresarial de fazer o que é certo, mas é, sobretudo, um investimento de longo prazo na solidez da imagem e da reputação de uma empresa. 

* Este artigo é de autoria de Daniele Pimenta de Mello Bittencourt Lopes (Compliance Officer e Diretora Jurídica e de Compliance da B. Braun) e não representa necessariamente a opinião da revista.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

App VOCÊ RH para celular e tablet, atualizado mensalmente

a partir de R$ 12,90/mês