Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Isis Borge Diretora da divisão de recrutamento Engenharia, Supply Chain, Marketing e Vendas da Talenses

Como falar sobre salário durante o processo seletivo?

É preciso criar uma boa estratégia para abordar a remuneração e definir a pretensão salarial. Entenda quais aspectos levar em conta

Por Isis Borge, colunista de VOCÊ RH 13 ago 2021, 10h25

Acredito que uma das perguntas mais desconfortáveis nos processos seletivos tenha haver com o tema de remuneração e pretensão salarial. Sabendo disso preparei esse artigo com algumas recomendações das melhores práticas.

Como definir a pretensão salarial

A sugestão é ter dois valores em mente, a pretensão almejada que te fará feliz nesse novo desafio e que obviamente precisa estar alinhada às práticas de mercado para aquele determinado tipo de função e segmento. E saber também qual é o valor mínimo que se está disposto a aceitar como remuneração, que cubra com alguma folga os custos fixos.

Para a definição da pretensão mínima é importante ter uma planilha de custos detalhada.  Lembre-se de incluir um percentual para imprevistos, gastos extras e amenidades. Existem ótimos aplicativos e sites que ajudam com essa análise.

Para a pretensão salarial desejada, pesquise práticas de mercado, converse headhunters e profissionais de RH que entendam do tema de remuneração, além de na medida do possível, conversar com amigos que atuem em funções semelhantes. Tenha a sua própria faixa salarial como um balizador médio. O porte da empresa e o segmento também influenciam a faixa salarial ofertada, na maioria dos casos empresas de grande porte costumam ter faixas um pouco maior que empresas de pequeno e médio porte.

No cenário econômico atual, eu tenho visto muitas pessoas mudarem de empresa na mesma faixa salarial e quando têm algum acréscimo salarial, os aumentos são de no máximo 30% acima. Tem sido bem raro ver aumentos mais expressivos.

  • Quando abordar o tema de remuneração em um processo seletivo

    A minha recomendação é aguardar para falar sobre salário e pretensão salarial apenas quando for solicitado. As empresas costumam abordar o tema de uma forma mais superficial no primeiro contato com o candidato, por telefone ou na primeira entrevista e depois voltam a abordar o tema mais próximo do final do processo seletivo. Isso pode causar uma apreensão nos candidatos, mas eu sempre acho mais interessante o candidato aproveitar as entrevistas iniciais para demonstrar que ele é o candidato certo para a vaga e só depois entrar em uma conversa mais aprofundada sobre o pacote salarial e a expectativa de remuneração.

    Tem sido comum a inclusão de mais entrevistadores visando uma melhor tomada de decisão, e muitas vezes os entrevistadores não sabem a faixa da vaga. Geralmente as fontes seguras que sabem essa informação são o gestor direto e o profissional de RH envolvido na contratação, falar sobre remuneração com outros entrevistadores não é recomendado.

    As empresas costumam ter faixas salariais similares, se olharmos os mesmos segmentos e portes de empresas. Então é grande a probabilidade de a remuneração ser coerente e alinhada às práticas de mercado.

    A maioria das empresas também costuma ter alguma flexibilidade para trabalhar a faixa salarial dependendo do perfil encontrado e a aderência à função e cultura da empresa. A maior parte dos gestores não está disposto a perder bons talentos por remuneração. Então se a empresa achar que você é o candidato certo, existe a chance, dependendo da política da empresa, de se chegar a uma proposta atrativa que faça sentido para os dois lados.

    Continua após a publicidade

    Quando questionado sobre a pretensão salarial, fale com tranquilidade sobre o tema e se posicione. Ficar em cima do muro não costuma ser a melhor alternativa. Alguns candidatos com receio de perder a vaga têm medo de falar qual o valor que querem de remuneração. Nesses casos costumo recomendar que falem o que esperam receber e se for o caso diga que está flexível a ajustar a pretensão salarial se for preciso por tem interesse naquela oportunidade.

    Sempre analise o pacote completo e não apenas o valor da remuneração mensal

    No momento que a empresa formalizar o pacote de remuneração ofertado, geralmente no envio da carta proposta, analise o pacote como um todo. Esse é o momento para tirar todas as dúvidas nos mínimos detalhes para tomar a melhor decisão.

    Existem uma série de fatores indiretos que podem deixar uma proposta mais ou menos atrativa e isso inclui a política de remuneração variável e os benefícios da empresa. Comparar apenas a remuneração mensal pode ser um equívoco.

    Saiba com precisão o cálculo do seu salário anual, que inclui a remuneração fixa e variável além do bônus projetado. E compare com o pacote anual proposto. Um ponto de atenção é a remuneração variável, nem sempre o valor nominal projetado tem sido praticado. Pergunte quais são as métricas por trás da remuneração variável, investigue o quanto foi pago para o executivo que estava nessa função ou em funções similares no último ano para ter uma ideia se o que é dito é de fato factível de ser recebido. Também é importante perguntar se o valor da remuneração variável que está sendo informada é com base no target de 100% das metas ou se a empresa já está passando o valor máximo possível se o profissional atingir 150% ou 200% da meta por exemplo. Algumas empresas têm multiplicadores para situações que a meta é superada e outras não, saber esse tipo de detalhe faz diferença.

    Após o cálculo de remuneração compare os benefícios um a um, observando todos os detalhes para verificar a atratividade da proposta.

    Como pleitear um ajuste na proposta

    Se você estiver desconfortável com algum item da proposta, seja transparente e com educação converse com a empresa visando verificar se é possível ajustar o pacote. As empresas costumam tentar segurar um bom candidato se o pedido for coerente. Sempre opte por conversar com a empresa antes de declinar a proposta.

    Traga soluções para a empresa e não problemas

    Pense diversas alternativas que poderiam acomodar a situação de uma forma satisfatória. Dando alternativas você aumenta as chances de a empresa tentar ajustar a situação. Pode ser que por uma política interna o valor do salário mensal não possa ser revisto, mas talvez a empresa possa incluir algum benefício que ela não estava considerando na oferta inicial. Às vezes pode ser negociado um hiring bônus por exemplo. Pense nas alternativas A, B e C para conversar com a empresa.

    Faça a análise no médio e longo prazo

    Observe a oportunidade como um todo e não só o pacote de remuneração. A remuneração é importante, mas a sua identificação com o desafio proposto, com a empresa, com o gestor e as demais pessoas que teve contato também são importantes e poderão dizer muito sobre a sua permanência no longo prazo naquela empresa.

    Se você estiver em dúvida sobre aceitar ou não uma proposta, ou mesmo sobre como abordar alguma questão com a empresa, converse com um headhunter para te ajudar.

    Assinatura de Isis Borge
    VOCÊ RH/Divulgação
    Continua após a publicidade
    Publicidade