Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Cai o número de mulheres contratadas para liderar durante a pandemia

Pesquisa do LinkedIn revela que há um regresso de um a dois anos no índice de recrutamento de mulheres para cargos de gestão sênior. Entenda

Por Redação Atualizado em 25 jul 2021, 12h43 - Publicado em 26 jul 2021, 08h00

A pandemia tem afetado negativamente as carreiras das mulheres no Brasil. De acordo com o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), no último trimestre de 2020, a participação das mulheres no mercado de trabalho era de 45,8% – o índice mais baixo desde 1990. Sobrecarga de trabalho doméstico e profissional e atuação em setores que sofreram muito com a crise da covid-19 são algumas das explicações para esse índice.

E agora outra pesquisa traz um dado também alarmante: a contratação de mulheres para cargos de lideranças caiu durante a pandemia. O levantamento, feito pela rede social LinkedIn, revela que há um regresso de um a dois anos no índice de recrutamento de mulheres líderes. Segundo o Relatório Global de Gênero do Fórum Econômico Mundial, serão necessários 69 anos para solucionar a igualdade de gênero na América Latina.

  • Para analisar a carreira feminina, o LinkedIn mapeou 99 empregos com alta demanda em 20 economias, inclusive o Brasil. Quatro áreas aumentaram a proporção de mulheres contratadas para cargos de gestão sênior: software e serviços de TI, serviços financeiros, saúde e manufatura. As que tiveram as quedas mais acentuadas foram: recreação e viagens, varejo, educação e serviços profissionais.

    O LinkedIn também aponta que, mundialmente, mulheres se candidataram a 11% menos empregos no ano passado em comparação com os homens. De acordo com elas, a falta de networking é o maior obstáculo. Aparecem ainda fatores como falta de experiência e habilidades, além de competitividade do mercado.

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade