Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

O mundo do trabalho será mais inclusivo no pós-pandemia?

Professora de RH da Audencia Business School explica que vivemos um movimento de transformações sociais profundas que se refletem nas empresas

Por Christine Naschberger* Atualizado em 9 dez 2020, 22h48 - Publicado em 29 out 2020, 07h00

Faz anos que os acadêmicos estão usando o acrônimo VUCA (Volátil, Incerto, Complexo, Ambíguo) para abordar e entender o mundo onde atuamos. Com a covid-19, passamos da teoria à prática: as condições de trabalho e o trabalho em si foram virados de cabeça para baixo na maioria das organizações. As empresas, muitas vezes, não tiveram escolha – fecharam seus escritórios, edifícios e fábricas, e a maioria dos funcionários ganharam licença ou foram forçados a trabalhar de casa.
Este trabalho remoto imposto revelou e reforçou ao mesmo tempo as desigualdades existentes entre trabalhadores femininos e masculinos. As mulheres, principalmente das minorias étnicas (que costumam trabalhar como babás, faxineiras, operadoras de caixa, enfermeiras etc.), têm atividades que não podem ser feitas remotamente e que são poucos valorizadas e mal remuneradas. Durante o confinamento, economistas alertaram sobre a situação dramática enfrentada por pessoas que exercem essas profissões.

  • O sentimento de desigualdade social foi agravado por um evento marcante no 25 de maio: o assassinato de George Floyd por um policial americano, que levou a protestos globais contra o racismo e a violência policial. Isso deu um novo impulso ao movimento #BlackLivesMatter, que faz campanha contra o assédio, a discriminação ou qualquer forma de violência contra os negros.

    Os apelos serão ouvidos?

    Em meio a protestos globais contra a brutalidade policial e o racismo, várias grandes empresas mudaram suas marcas. Por exemplo, a Mars Food rebatizou o nome de sua popular marca de arroz americana “Uncle Ben’s” para “Ben’s Original” e removeu a imagem do homem negro sorridente de cabelos grisalhos de sua embalagem. A Uncle Ben’s entrou no mercado na década de 1940. Seu marketing foi criticado por perpetuar estereótipos raciais. A PepsiCo também decidiu renomear sua linha de xaropes e alimentos Tia Jemima, de 130 anos, reconhecendo que a marca era baseada em um estereótipo racial.
    Hoje, as vozes da mudança estão ficando mais altas: minorias étnicas, jovens, mulheres, ambientalistas e outros querem que suas causas sejam ouvidas. O racismo não é mais aceitável. Desigualdades são denunciadas. Esses apelos serão ouvidos? Podemos esperar um mundo mais inclusivo e organizações mais iguais? Os tomadores de decisão de hoje colocarão as pessoas no centro de suas preocupações? Ninguém sabe, mas cada pequeno passo deve nos aproximar do ideal de uma sociedade humanística.
    O governo francês deu um passo à frente no final de setembro de 2020: a França decidiu dobrar a licença-paternidade remunerada para 28 dias. Esta decisão alinha a França com a legislação progressista de outros países da Europa, como Portugal ou Escandinávia onde a licença de paternidade é de 25 dias.
    Uma licença paternidade mais generosa é um movimento importante para aumentar a igualdade dentro do casal. Tal medida dará mais perspectivas para uma melhor divisão das responsabilidades parentais no nascimento de um filho, ajudando a mudar mentalidades e a desconstruir estereótipos de gênero. Também é importante permitir alguma flexibilidade nas políticas parentais, tal como existem na Suécia, que infelizmente ainda não existe em muitos países, incluindo a França. Veremos em alguns anos se esta nova lei terá um impacto sobre a igualdade entre mulheres e homens no trabalho na França.

    Depois da pandemia

    Numerosos artigos da imprensa especulam sobre o mundo pós-covid-19. A crise da saúde, o confinamento e o fato de algumas pessoas terem enfrentado a morte de entes queridos e sua própria mortalidade são fatores que nos obrigaram a rever nossas prioridades.
    Por exemplo, acabei de encontrar uma postagem no LinkedIn de um de meus ex-alunos, o CEO e covid-19 de uma empresa internacional de sucesso. Nele, ele fala sobre sua mãe, que faleceu da COVID-19, e como essa perda perturbou sua visão já mutante sobre a importância do sucesso. Este CEO agora quer mais sentido na vida dele, liberando o poder da “motivação intrínseca”, como sugere Daniel Goleman em seu livro best-seller Inteligência Emocional. Suas novas prioridades são: fazer o que o deixa feliz, passar mais tempo com a família e amigos íntimos e cuidar do seu corpo e mente. E no que diz respeito à vida profissional, viver o lema “ser impaciente com a ação e paciente com os resultados”.
    A pandemia forçou muitas pessoas a refletir sobre o que realmente importa e o que é mais significativo na vida delas. Mas não podemos esquecer que muitas pessoas não têm esse luxo para ter tempo de refletir ou fazer mudanças, simplesmente porque eles estão muito ocupados a lutar para sobreviver. O mundo está mudando e nós estamos mudando. Nossas prioridades também estão mudando. Carpe Diem.
    *Professora de recursos humanos na Audencia Business School, da França

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

    Continua após a publicidade
    Publicidade