Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Futuro do Trabalho

Sua empresa precisa de um líder de trabalho remoto?

Essa função será importante para as companhias nos próximos anos. Saiba quais são as atribuições e os desafios desse profissional

por Bárbara Nór Atualizado em 18 dez 2020, 08h38 - Publicado em
18 dez 2020
08h01

Esta reportagem faz parte da edição 71 (dezembro/janeiro) de VOCÊ RH

Em setembro de 2020, o Facebook publicou em sua página global de carreiras uma vaga inédita até então: diretor (ou diretora) de trabalho remoto. Segundo a descrição, esse profissional seria “um pensador estratégico que entende de times virtuais e distribuídos; um excepcional formador de relacionamentos e um agente de mudanças”. A vaga vem em linha com o anúncio de Mark Zuckerberg, que espera que, nos próximos dez anos, pelo menos metade dos funcionários do Facebook passe a trabalhar de forma remota.

Mas não foi a rede social que criou a função. Na verdade, ela já existe desde 2011, quando a GitLab, empresa de softwares americana, contratou um líder de trabalho remoto responsável por articular as necessidades e os ajustes demandados pelas equipes em home office, desde questões tecnológicas até quais são as cidades e regiões com melhor estrutura para o teletrabalho.

  • Com a pandemia acelerando a adoção das atividades à distância, a tendência é que mais empresas abram posições como essa. Um exemplo é a Quora, rede social de perguntas e respostas. Depois de ver que a maior parte de seus 200 empregados queria ter a chance de trabalhar de casa, a companhia criou uma vaga de líder de trabalho remoto. Sua missão: ajudar a criar um modelo de “trabalho dinâmico”.

    Para ler o texto completo, compre a edição 71 de VOCÊ RH, que já está nas bancas de todo o país. Ou clique aqui para se tornar nosso assinante e tenha acesso imediato à edição digital, disponível para Android e iOS.

    Continua após a publicidade