Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como o metaverso pode revolucionar o trabalho e o RH

Saiba de que forma criar significado e valor no novo ambiente virtual, que promete mudar nosso jeito de trabalhar e de se relacionar

Por Letícia Colombini Atualizado em 31 mar 2022, 13h47 - Publicado em 1 abr 2022, 06h47
A

té setembro do ano passado, quando o Facebook anunciou um investimento de 50 milhões de dólares na construção de seu próprio universo virtual e decidiu mudar seu nome para Meta, pouco, ou quase nada, se ouvia falar sobre o metaverso. De lá para cá, o termo ganhou força. Ainda assim, trata-se de um fenômeno digital emergente, especialmente em relação ao mundo do trabalho, e muitas perguntas permanecem sem resposta.

O fato é que o metaverso — que integra a internet de hoje com realidade virtual, realidade aumentada, blockchain, inteligência artificial e outras tecnologias da informação — representa uma mudança sísmica na forma como iremos aprender, comprar, nos entreter, socializar, trabalhar. “Esse processo de transformação, no qual digital e físico se fundem em um só, vem acontecendo há alguns anos e vai se acelerar rapidamente, sobretudo em função da normatização das modalidades de trabalho híbrido e remoto”, diz Isis Borge, diretora de recrutamento da Talenses, que nos últimos meses tem recebido um número crescente de sondagens, por parte de grandes empresas e consultorias, relacionadas ao assunto. “As altas lideranças de RH estão começando a debater como aplicar esse conceito dentro das organizações. Mais importante, porém, do que saber quem o adotará primeiro — a fim de mostrar status, força da marca ou mesmo aumentar seu employer branding — é fazê-lo da forma mais inclusiva e humanizada possível.”

Também vale destacar que, em um primeiro momento, essa não será uma vivência coletiva. Entre os motivos estão a falta de conexão estável de 5G e de acesso a algumas tecnologias essenciais, não suficientemente refinadas e longe de serem democratizadas. Sem falar no alto custo de equipamentos, como óculos sensoriais, luvas e outros dispositivos. Algumas tendências e teorias referentes ao metaverso, no entanto, já estão tomando corpo dentro das companhias, que aos poucos vêm se ajustando para desempenhar um papel significativo dentro desse novo contexto.

Continua após a publicidade

Compartilhe essa matéria via:

Escritórios infinitos

A principal delas se refere a espaços compartilhados, colaborativos e imersivos, com sede no metaverso. Acessados pela internet, esses ambientes simulam cenários da vida real em escritórios, plantas industriais, salas e afins, nos quais será possível circular e interagir com colegas por meio de avatares. E, ainda, participar de reuniões de trabalho, entrevistas de emprego, programas de onboarding, treinamentos, eventos internos. Tudo feito de qualquer lugar e em tempo real. “Esse modelo, gamificado e predominantemente social, é baseado na realidade virtual, que prevê a criação de um universo lúdico e próprio, ideia em torno da qual o Facebook, maior propagador e investidor desse conceito, vem se reformulando”, afirma Álvaro Machado Dias, neurocientista e sócio da Human Factor, laboratório de inovação em recursos humanos. “A experiência é ecossistêmica e dinâmica, e a representação do ‘eu’ acontece por meio de um personagem, isto é, um elemento de jogo.”

Mas o especialista prefere apostar no potencial da realidade aumentada. “Esse novo formato tem como objetivo sobrepor imagens, sons e textos ao ambiente físico por meio de óculos com câmeras e recursos especiais”, afirma Álvaro. Para ilustrar melhor como isso tende a funcionar, ele lembra do jogo eletrônico Pokémon GO, que incentiva as pessoas a saírem às ruas apontando o smartphone para os locais que as rodeiam a fim de caçar os monstrinhos. Ou do filme Minority Report, no qual o protagonista Tom Cruise toca em telas flutuantes e aciona comandos sem ofuscar o mundo offline à sua volta. Basta usar a imaginação para visualizar seus relatórios e projetos abertos fora da tela do computador, movendo-os com um simples toque no ar. Ou, então, aplicar a realidade aumentada para apresentar processos internos aos funcionários, realizar treinamentos, criar campanhas personalizadas.

Este trecho faz parte de uma reportagem da edição 79 (abril/maio) de VOCÊ RH.

Clique aqui para se tornar nosso assinante

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

App VOCÊ RH para celular e tablet, atualizado mensalmente

a partir de R$ 12,90/mês