Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Criador do termo BANI explica como sobreviver na era do caos

Em entrevista exclusiva para VOCÊ RH, Jamais Cascio explica como devemos nos comportar no presente e quais são os possíveis futuros que podemos construir

Por Elisa Tozzi Atualizado em 26 jul 2021, 17h23 - Publicado em 27 jul 2021, 07h00

O termo BANI, acrônimo em inglês para Frágil, Ansioso, Não Linear e Incompreensível, ganhou força durante a pandemia da covid-19. O conceito foi criado por Jamais Cascio, antropólogo e futurista americano, quando percebeu que o famoso VUCA (Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo) não funcionava mais para explicar o cenário que enfrentamos. O pensador, que dará uma palestra online e gratuita no HSM Expo no dia 28 de julho (inscreva-se aqui).

Em entrevista exclusiva para VOCÊ RH, Jamais Cascio explica como devemos nos comportar para enfrentar o que ele chama de “era do caos” e quais são os possíveis futuros que podemos construir mesmo vivendo um presente tão sombrio.

Quais são as diferenças entre VUCA e BANI?

VUCA é Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo, descreve a natureza dos sistemas globais quando estão funcionando mais ou menos conforme o planejado. Um mundo interdependente e conectado globalmente é inerentemente VUCA. Complexidade, por exemplo, é uma consequência de sistemas entrelaçados afetando e sendo afetados uns pelos outros. A ambiguidade surgirá quando você tiver vários tipos de significados (línguas, sistemas de crenças, ética) forçados a trabalhar juntos. Quando você tem uma infinidade de sistemas interligados, você obtém o VUCA.

BANI é Frágil, Ansioso, Não Linear e Incompreensível, descreve o que acontece quando um mundo VUCA se quebra. Quando sistemas complexos não coevoluem, eles reagem entre si de maneiras potencialmente explosivas. BANI é uma forma de enquadrar um mundo de caos. Quando você tem sistemas que são incapazes de funcionar sob estresse, você obtém BANI.

  • Uma das palavras da sigla BANI é “Ansiedade”, que tem sido amplamente discutida nos últimos meses. A ansiedade pode nos ajudar a entender os cenários presentes e futuros?

    Sim, na medida em que a ansiedade reflete um mundo onde não há caminhos evidentes para o sucesso. Isso não significa que o sucesso seja impossível, mas que as etapas normais que alguém executaria para atingir uma meta foram bloqueadas ou têm resultados ou efeitos colaterais contraproducentes. É muito difícil pensar a longo prazo quando os problemas de curto prazo são opressores.

    Você diz que vivemos na era do caos. Como as organizações e os indivíduos podem viver neste cenário?

    Provavelmente, o passo mais importante a ser dado em um mundo caótico é aumentar a resiliência organizacional. Ou seja, para aumentar a flexibilidade (o que acontece quando uma fonte primária de materiais de repente fica indisponível?), aumente a “folga” (você está preparado para saltos abruptos na demanda ou interrupções nas cadeias de abastecimento?), melhore a transparência com as partes interessadas (seus trabalhadores ou os clientes entendem por que algo mudou?) que apoiam a sustentabilidade (como você pode manter os padrões enquanto reduz insumos potencialmente prejudiciais?).

    Eu também incluiria um uso mais amplo de “varredura do horizonte”: procurar sinais de mudanças iminentes não apenas em sua indústria ou campo principal, mas de forma mais ampla. Além disso, ter “almofadas” para experimentação: já que a maioria dos experimentos falham, as pessoas têm o apoio suporte para falhar graciosamente ou com segurança?

    A pandemia de coronavírus mudou completamente a maneira como trabalhamos e interagimos. Quais serão as consequências da crise a longo prazo?

    É importante na minha disciplina evitar falar sobre previsões futuras de caminho único. É melhor pensar em termos de cenários, ou múltiplas versões plausíveis de resultados futuros, e pensar sobre estratégias que seriam úteis em todo o espectro.

    Portanto, com esse espírito, aqui estão três maneiras diferentes de as consequências a longo prazo da pandemia da covid-19:

    Continua após a publicidade

    • A endemia da covid: a evolução viral rápida e a implantação muito lenta de vacinas nos deixam em um mundo onde a covid-19 nunca sai e se torna uma parte permanente do meio ambiente. Para a próxima geração, as economias globais estão sujeitas a desacelerações repentinas, pois as infecções em grande escala precisam de quarentenas rápidas. As viagens tornam-se muito mais raras e muitas organizações experimentam diferentes maneiras de se adaptar às circunstâncias. Uma vez que a covid se torna endêmica, perde seu impacto político, tornando-se uma ameaça constante e opressora, em vez de algo que produz manchetes diárias. Como em todos os cenários, o clima se torna a questão dominante antes da metade do século.

    • A crise do século: embora a pandemia eventualmente diminua, a instabilidade econômica e política que ela desencadeou continua a crescer. Há muito pouca confiança nas instituições – governamentais, corporativas ou acadêmicas – em qualquer lugar do mundo. Lugares que pareciam relativamente estáveis ​​passam por períodos de violenta agitação. As preocupações com os efeitos mais prolongados da pandemia se misturam às crescentes preocupações com as mudanças climáticas catastróficas. Nesse cenário, os sistemas globais estão dando o melhor de si para permanecer viáveis ​​à medida que o caos cresce. Os períodos de sucesso que acontecem parecem desproporcionalmente importantes e valiosos.

    • O monstro do clima: os problemas acelerados causados ​​pela perturbação climática global tornam os perigos persistentes da covid-19 piores, mas também começam a gerar reações institucionais. Em muitas partes do mundo, a necessidade de agir para reagir contra os desastres climáticos impulsiona as políticas; não está nem perto do suficiente para parar o aquecimento global, mas torna o processo um pouco mais lento. O custo da ação institucional em grande escala é uma sacudida nos sistemas financeiros e políticos globais. Programas que antes seriam politicamente impossíveis (como impostos sobre fortunas maciças, renda básica e programas ativos que impeçam a imigração) tornam-se comuns. Ninguém está terrivelmente feliz, mas há um foco geral na sobrevivência.

    Estamos vivendo em uma era de notícias falsas, polarização política e desconfiança na ciência. Com tudo isso acontecendo, quais são os futuros possíveis que ainda podemos construir?

    Todo futuro positivo que posso imaginar tem o mesmo conjunto de características essenciais:

    • Reparar ativamente os danos ambientais (mais do que apenas retardar o colapso)

    • Modelos econômicos democratizados (em responsabilidade, transparência e uma visão de longo prazo)

    • Políticas baseadas em evidências e baseadas em experimentos (mais uma vez, responsabilidade visível é crítica)

    • Mitigação de risco ao olhar para os principais elementos sociais (por exemplo, melhor educação para mulheres, melhor saúde mental)

    Eu não disse que nada disso seria fácil. Mas o que me dá esperança é que sabemos fazer tudo o que precisamos fazer. Nenhuma das etapas necessárias para melhorar nosso planeta e nossas sociedades requer um desejo mágico ou tecnologia imaginária. Podemos consertar as coisas. O desafio que enfrentamos é descobrir como fazer isso acontecer.

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

    Continua após a publicidade
    Publicidade