Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“A meritocracia disfarça como virtude uma vantagem injusta”, diz autor

Professor da Universidade Yale, Daniel Markovits discute no livro "A Cilada da Meritocracia" por que o conceito piora a desigualdade. Leia a entrevista

Por Elisa Tozzi Atualizado em 18 abr 2022, 09h43 - Publicado em 23 set 2021, 07h00
P

rofessor de Direito da Universidade Yale, Daniel Markovits faz parte da elite educacional do mundo. E isso fez com que ele começasse a refletir sobre como o conceito de meritocracia é problemático. Ele surpreendeu a turma de formandos em 2015 quando fez um discurso de encerramento de curso em que dizia que o conceito do mérito é prejudicial para os mais pobres, para a classe média e também para as elites — que têm se utilizado da teoria para explicar por que alguns chegam mais longe do que os outros.

Dessa reflexão surgiu o livro A Cilada da Meritocracia (Intrínseca). “A meritocracia tornou-se uma forma de exclusão, de privilégio intergeracional e dinástico. Mas pretende refletir a justiça — portanto, disfarça a desigualdade”, diz Daniel em entrevista para VOCÊ RH. Leia a conversa com o autor a seguir.

Ao contrário do que ouvimos no mercado e na academia durante muitos anos, a sua percepção é de que a meritocracia é uma farsa. Por quê?

Por “farsa”, quero dizer que, em vez de capturar alguma excelência ou valor verdadeiro ou natural, o que chamamos de mérito é o resultado de um longo argumento ideológico, que é projetado para “lavar” uma distribuição ofensiva da vantagem — com o objetivo de disfarçar privilégios e fazer coisas que estão erradas parecerem certas. Mas é importante para o livro que o mérito não seja vergonhoso: quem sai na frente não é chamado de vilão. Na verdade, a meritocracia leva pessoas normalmente decentes, que se comportam como as pessoas geralmente se comportam, a produzir consequências muito ruins.

Como a cilada da meritocracia foi construída?

A armadilha foi construída por dois mecanismos. Primeiro, as elites começaram a gastar mais e mais (dinheiro, tempo, habilidade) na educação de seus filhos. O resultado é que a competição entre os filhos da elite se tornou cada vez mais intensa e todas as outras crianças ficaram excluídas de uma vantagem significativa. Em segundo lugar, adultos educados redesenharam o trabalho para favorecer precisamente a educação que eles (sozinhos) possuem. Isso significa que obter o tipo de educação que apenas os ricos podem pagar é cada vez mais necessário para conseguir os melhores empregos.

Esses dois mecanismos se reforçam – à medida em que os cargos importantes pagam mais, as elites investem mais na educação dos filhos, o que distorce ainda mais o trabalho para favorecer as habilidades da elite, o que aumenta ainda mais os salários dos cargos importantes, e assim por diante.

O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo e o conceito da meritocracia é bastante usado para explicar o sucesso de pequenos grupos. Por que essa teoria é tão usada em locais de alta desigualdade?

A teoria é incrivelmente atraente para as elites por dois motivos, um bom e outro ruim. O bom é que, no início, a meritocracia realmente ajudou a quebrar as formas de exclusão baseadas em raça, gênero, religião e assim por diante. Nenhum grupo detém o monopólio do talento ou do trabalho árduo e, portanto, a meritocracia ajudou os grupos excluídos a entrar na elite.

Continua após a publicidade

O ruim é que a meritocracia disfarça como virtude uma vantagem injusta. A alta educação é necessária para progredir, mas totalmente fora do alcance da classe trabalhadora e até mesmo da classe média. Assim, a meritocracia tornou-se uma forma de exclusão, de privilégio intergeracional e dinástico. Mas pretende refletir a justiça — portanto, disfarça a desigualdade.

No seu livro, você diz que a falácia da meritocracia atinge não apenas os pobres e a classe média, mas as elites também. Por quê?

Existem dois problemas para a elite. Em primeiro lugar, a competição meritocrática tornou-se tão intensa que, embora ter pais ricos seja necessário para que os filhos progridam, não é suficiente. Assim, as crianças ricas enfrentam uma pressão intensa e extensa para ter sucesso, e muitas não estão à altura. Isso é difícil.

Em segundo lugar, mesmo as elites que parecem vencer acabam levando uma vida alienada. Se você é rico por possuir terras, sua riqueza o liberta. Você pode misturar sua riqueza com o trabalho de outras pessoas e extrair aluguéis. Mas se você alcança a riqueza devido ao seu próprio treinamento e às suas habilidades, você se torna subjugado por sua riqueza. A única maneira de obter renda com sua riqueza é misturá-la com seu próprio trabalho e trabalhar em quaisquer tarefas que o mercado pague. Assim, as elites tornam-se mão de obra alienada e explorada, ao mesmo tempo que também enriquecem.

É muito importante para o livro que essa não seja uma razão para que todos tenham pena das elites ou façam qualquer coisa para aliviar a alienação das elites. Mas significa que a desigualdade meritocrática não beneficia, no final, nem mesmo aqueles a quem parece favorecer.

O que as empresas poderiam fazer para lutar contra os problemas da meritocracia?

Esta é uma pergunta difícil. Eu acredito que existem oportunidades para oferecer a trabalhadores que têm habilidades médias de forma lucrativa — e as empresas estão ignorando isso. Mas uma das principais lições do livro é que toda a nossa sociedade deve escapar totalmente da armadilha da meritocracia. Indivíduos e empresas não podem fazer isso uma de cada vez.

A pandemia de covid-19 trará uma consciência maior sobre a importância do bem comum ou irá ampliar a falácia da meritocracia?

Acho que a covid-19 tornará as coisas muito, muito piores. Estou co-presidindo um grupo de trabalho sobre covid e escolas nos Estados Unidos. Descobrimos que, por aqui, o aluno médio de uma escola pública perdeu mais de um terço de um ano de escolaridade, enquanto o aluno típico de uma escola privada de elite não perdeu escolaridade. Os efeitos disso na desigualdade de longo prazo – na universidade, no trabalho, no bem-estar ao longo da vida – serão enormes.

Compartilhe essa matéria via:

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês