Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

44% das mulheres deixariam o emprego se não houver home office

Pesquisa da Robert Half ainda revela que 81% das pessoas querem o modelo híbrido de trabalho quando a pandemia passar. Confira os resultados

Por Elisa Tozzi
Atualizado em 8 set 2021, 14h38 - Publicado em 8 set 2021, 07h00

Com a pandemia, o home office ganhou força entre as empresas e entre os profissionais. Tanto que uma pesquisa feita pela consultoria de recrutamento Robert Half com 358 pessoas revela que quase 64% dos entrevistados querem trabalhar mais em home office do que presencialmente. E as mulheres vão além: para 44% delas deixar o emprego é uma possibilidade caso a empresa não permita o trabalho em casa.

“Por mais que as mulheres liderem a demanda, é importante ressaltar que essa tendência abrange o mercado de trabalho como um todo. De modo geral, empresas que, sem necessidade, optarem por um modelo de trabalho 100% presencial poderão perder bons profissionais, além de ter mais dificuldade para atrair os melhores talentos do mercado”, diz Mariana Horno, gerente sênior de recrutamento da Robert Half.

Como fazer o modelo híbrido dar certo?

A pesquisa também apontam que 81% dos profissionais gostariam que a empresa adotasse o modelo híbrido de trabalho quando a pandemia acabar. Para que esse estilo de trabalho seja bem-sucedido, no entanto, as empresas precisam tomar alguns cuidados.

Um dos mais importantes é criar uma comunicação clara para resolver dúvidas, alinhar expectativas e integrar funcionários presenciais e remotos. “Não será sempre que o gestor poderá contar fisicamente com todos os membros de sua equipe e a gestão desses encontros é essencial”, explica Mariana. Também é preciso garantir que as equipes tenham maturidade para trabalhar nesse modelo, com capacidade de autogerenciamento e de tomada de decisões.

Continua após a publicidade

Do ponto de vista do RH e da liderança, um grande desafio é manter o engajamento à distância – algo que muitas companhias já vivenciam hoje. “Fazer-se presente com cada profissional, promover encontros corriqueiros, ainda que virtuais, entre os membros da equipe e delegar tarefas conjuntas com o propósito de que o trabalho gere integração são algumas soluções”, diz a especialista. Além de motivação, isso também demonstra cuidado com o bem-estar das pessoas – o que será cada vez mais importante nas organizações. “As pessoas são um dos ativos mais importantes do negócio. Seja de modo presencial ou remoto, é muito importante compreender qual apoio necessário para que os colaboradores possam realizar o trabalho da melhor maneira”, diz Mariana.

 

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.


 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.