Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Pesquisa revela os desafios do trabalho e do estudo à distância

Os estudantes sofrem para tirar dúvidas com os professores e os trabalhadores estão utilizando aplicativos de mensagem para suas atividades

Por Elisa Tozzi Atualizado em 10 dez 2020, 17h15 - Publicado em 5 nov 2020, 16h00

Qual foi o impacto do isolamento social para os estudos e o trabalho? Foram essas as duas perguntas que nortearam o estudo Painel TIC Covid-19, conduzida por Cetic.br, Nic.br e Cgi.br, com 2.728 respondentes.

Educação à distância

Segundo o levantamento, 88% de quem está no ensino superior acompanhou as aulas pela internet. A maior parte dos estudantes, considerando também os de ensino fundamental e médio, assistiram as aulas por meio de sites, redes sociais ou plataforma de videoconferência — e 55% das escolas ofereceu aplicativo próprio de educação à distância.

  • O celular se mostrou o meio mais usado pelos entrevistados: 37% deles utilizam o aparelho para estudar. O índice foi puxado pela classe DE, na qual 54% dependem do smartphone para acompanhar as aulas.

    Mas há barreiras educacionais. A principal delas, que se repete em todas as classes, é a dificuldade de tirar dúvidas com professores. A classe E é a que mais sofre com a baixa qualidade ou falta de conexão com a internet.  E o motivo número 1 para não acompanhar as aulas – em todas as classes – é a necessidade de 56% dos estudantes procurarem emprego.

    Home office

    O estudo revela que 82% dos profissionais fez home office exclusivamente por conta da pandemia. Diferentemente da educação, o computador é o dispositivo mais utilizado (77%) para trabalhar.

    Os principais apoios que as empresas ofereceram aos funcionários no home office são: acesso remoto a pastas e arquivos via nuvem ou VPN e softwares corporativos. Os aplicativos de mensagem instantânea despontam como a tecnologia mais utilizada para realizar atividades profissionais.

    E a maior parte das empresas não pensou na ergonomia do trabalho remoto: a oferta de móveis e cadeiras ficou em último lugar na lista de benefícios oferecidos.

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade