Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Felicidade não é meta, é consequência

Não basta encontrar propósito se não dá para pagar as contas, ter saúde e qualidade de vida, ser respeitado e se sentir desafiado

Por Marcia Kedouk Atualizado em 1 abr 2022, 14h46 - Publicado em 1 abr 2022, 08h00
O

conceito de felicidade é algo relativamente recente na história da nossa espécie. Passamos milênios mais preocupados em sobreviver a ambientes extremamente hostis do que em passar férias à beira-mar. Não que o ser humano não buscasse a plenitude antes, mas foi na Grécia Antiga que as reflexões sobre o tema ganharam força. Para Aristóteles, uma pessoa só seria feliz quando realizasse aquilo para o qual ela existe, ou seja, quando colocasse em prática sua essência, promovendo ações virtuosas em busca do bem comum. Vem daí a ideia de que a satisfação teria um vínculo profundo com algo que hoje está tão disseminado: o propósito.

No mundo do trabalho, essa discussão nasceu ontem. Quer dizer, há um par de décadas, quando os millennials, que atualmente têm entre 26 e 41 anos, chegaram às empresas. A eles foi dito que, se amassem o que fazem, receberiam em troca a realização suprema, pessoal e profissional. Na teoria, nem sentiriam o peso do trabalho duro se perseguissem suas paixões. Na prática, criou-se a cultura da positividade tóxica, que nega os fracassos, os períodos de desmotivação e as tarefas maçantes que todo emprego oferece. A felicidade virou marketing corporativo — talvez por isso seja tão mal compreendida nesse contexto.

Realizar-se no trabalho não significa estar alegre o tempo todo, mas acolher os dias difíceis e continuar enxergando, no fim do expediente, um significado naquilo que faz. Mas é preciso também satisfazer algo bem mais básico do que isso: não basta encontrar propósito se não dá para pagar as contas, ter saúde e qualidade de vida, ser respeitado e se sentir desafiado. Ninguém é feliz com um chefe que torna sua vida um inferno, numa empresa que coloca o lucro acima das pessoas. Nem por amor ao ofício.

É por demandar um olhar amplo, empático e realista das empresas que algumas passaram a destinar executivos, geralmente do RH, para cuidar da questão, como mostra a jornalista Marcella Centofanti na reportagem de capa desta edição. Há as que adotaram a função de chief happiness officer (CHO) para liderar a criação de políticas consistentes, que de fato ajudem a aumentar a satisfação dos funcionários. Afinal, a felicidade não é uma meta, mas uma consequência.

Compartilhe essa matéria via:

Este texto faz parte da edição 79 (abril/maio) de VOCÊ RH.

Clique aqui para se tornar nosso assinante

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)