Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Foto de Jackie de Botton Jackie De Botton Por The School of Life Diretora e sócia-fundadora da The School of Life

Dois anos de pandemia: por que é importante ajustar a nossa perspectiva

Pandemia mostrou que sabemos enfrentar as adversidades mais do que imaginávamos

Por Jackie de Botton, diretora e sócia-fundadora da The School of Life 25 fev 2022, 10h20
E

lá se vão dois anos do início da pandemia da covid-19. omo indivíduos, cada um de nós carrega, nesse período, seus sofrimentos e suas experiências particulares e totalmente legítimas. Como humanidade estamos tendo mais uma prova de que sabemos bem como sofrer e lamentar. Mas sabemos ainda melhor como enfrentar as adversidades – e com mais força do que imaginamos. A história pode nos confirmar com fatos.

Um pouco de história

No século 27 a.C, o rio Nilo secou por sete anos consecutivos e causou uma das primeiras e maiores fomes na história do Egito. Em 13 de dezembro do ano 115 d.C, um terremoto devastador atingiu a cidade de Antioquia destruindo três quartos de suas construções e matando metade de seus 500 mil habitantes em minutos. O trabalho de reconstrução durou uma década. Em 21 de julho de 365, um tsunami devastador atingiu Alexandria matando 50 mil pessoas.

Em 542, passamos pela primeira pandemia global de peste bubônica, que começou ferozmente em Constantinopla, entrando pelas movimentadas rotas comerciais da Ásia. Em 1346, a Peste Negra chegou à Europa, vinda das estepes russas e matou cerca de 25 milhões de pessoas. Entre 1918 e 1919, a pandemia de influenza conhecida como “gripe espanhola” matou mais de 50 milhões de pessoas, superando de longe o número de mortes da Primeira Guerra Mundial.

Como nos redirecionar em momentos de crise

É claro que nenhum desses fatos que eu relembrei deve ou pode diminuir – nem mesmo por um segundo – os imensos sofrimentos individuais e coletivos do nosso próprio tempo. Minha intenção com essa retrospectiva é apenas acrescentar à história que estamos vivendo o seguinte capítulo: “sempre há um amanhã”. Não para ignorar o que está ao nosso redor, mas para ampliar a perspectiva no nosso mundo interior, uma habilidade poderosa para nos redirecionar em momentos de crise.

Continua após a publicidade

O mundo exterior pode ser ruim, muito ruim. Mas ele pode se tornar ainda pior dependendo de nossas vozes internas,  que se não forem bem calibradas, podem acrescentar  ainda mais medo, pavor e sensação de condenação ao nosso dia a dia. Muito mais do que seria estritamente necessário.

O papel do autoconhecimento e da inteligência emocional nesse processo

Aqui, não refiro-me a ter pensamentos positivos. Mas sim ao processo de constante autoconhecimento e de aferição da nossa inteligência emocional, à prática de pensar sobre as nossas emoções em vez de simplesmente tê-las, a compreender e analisar nossos sentimentos, aprendendo a ver como as emoções afetam nosso comportamento e a nossa rotina de maneiras inesperadas, contraintuitivas e, às vezes, perigosas. Os filósofos, que foram os primeiros terapeutas da humanidade, nos ensinam muito sobre isso.

O que define uma vida boa

Tendemos a acreditar que a diferença entre uma vida boa e outra ruim está diretamente relacionada à qualidade dos eventos externos que nos acontecem. Mas, surpreendentemente, o que qualifica a nossa jornada na vida é a maneira como cada um de nós é capaz de interpretar os acontecimentos. Tem a ver com a nossa capacidade de passar pelos caminhos mais estreitos e nebulosos da vida sem adicionar à caminhada sentimentos de vergonha, perseguição ou ódio de si mesmo.

Saber incorporar um comentário tranquilizador a um campo de batalha é um poderoso exercício de autocompaixão e humildade. Acredito muito que aquele que pode dizer a si mesmo no meio de um inferno que “não merece isso”, que “muito pode ser consertado” e que “ainda somos amáveis”, definitivamente, aprendeu a arte de viver.

Compartilhe essa matéria via:

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

App VOCÊ RH para celular e tablet, atualizado mensalmente

a partir de R$ 12,90/mês