Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Será que estamos desacelerando?

Com a pandemia, passamos a valorizar mais a vida e o tempo com as pessoas e a ter um novo olhar para a relação com o mundo corporativo

Por Isis Borge, colunista de VOCÊ RH Atualizado em 31 mar 2022, 12h51 - Publicado em 1 abr 2022, 06h48
A

pandemia mudou a nossa relação com a vida e o mundo. Um dos grandes aprendizados é que não temos o controle de tudo. De um dia para o outro, fomos forçados a ficar em casa, as funções de trabalho foram divididas entre essenciais e não essenciais, a forma como vivíamos mudou drasticamente. Aprendemos também que é possível sermos produtivos sem estarmos fisicamente no escritório. Passamos a valorizar mais a vida e o tempo com as pessoas e a ter um novo olhar para a relação com o mundo corporativo. Há uma busca por equilíbrio entre o trabalho e a vida fora do expediente. Observo com bons olhos alguns países que reduziram a jornada semanal para quatro dias e agora ainda estudam reduzir a carga horária de cada dia. A crença é de que as pessoas focadas rendem mais.

Outra novidade veio da Organização Mundial da Saúde, com o burnout passando a ser reconhecido como uma doença de trabalho. Dentro das organizações, entra na pauta das reuniões de liderança um olhar mais atento para a própria saúde mental e a da equipe. Agora as pessoas podem e devem levantar a mão se não estiverem bem. É mais um movimento rumo ao crescimento da humanização corporativa.

Nesse contexto, temos o movimento que se iniciou nos Estados Unidos chamado The Great Resignation, ou A Grande Renúncia. Estima-se que, na segunda metade de 2021, 25 milhões de pessoas pediram demissão no país — mais do que o dobro do habitual. Entre esses profissionais, alguns partem em busca de empregos e salários melhores, outros simplesmente tiram um tempo para si. Uma reflexão constante nos relatos de quem pediu demissão foi que o trabalho deixou de representar parte de sua identidade, passando a simbolizar apenas algo que lhes permitia receber um salário no final do mês. Em contrapartida, existem também os que estão felizes com os novos modelos de trabalho e com as funções que desempenham e mais conscientes do propósito que os coloca em movimento.

Compartilhe essa matéria via:

Este trecho faz parte de uma reportagem da edição 79 (abril/maio) de VOCÊ RH.

Clique aqui para se tornar nosso assinante

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês