Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Os 4 níveis de aptidão para a inovação, segundo estudo

Levantamento da Dell indica que as pessoas tendem a se encaixar em quatro perfis quando o assunto é transformação digital. Veja quais são

Por Redação
25 out 2022, 08h32
A

celerados, Estáveis, Lentos e Parados. Esses são os quatro perfis mais comuns encontrados nas empresas quando o assunto é transformação digital, segundo um estudo global da Dell Technologies com 10.500 respondentes, incluindo 400 profissionais do Brasil.

À primeira vista, parece que há o melhor de todos, que seria o Acelerado; e o pior, o Parado. Mas essas qualificações não formam um ranking — estão mais para níveis de prontidão de cada profissional dentro das empresas, todos eles necessários. Não significa também que sejam uma predestinação: quem está em um grupo pode migrar para outro, dependendo da fase em que se encontra na carreira e até na vida pessoal. É que, apesar de cada perfil apontar tendências de comportamento, cabe aos líderes incentivar o que há de melhor em cada um.

Os 4 níveis de aptidão para a inovação

Estudo da Dell indica que as pessoas tendem a se encaixar em quatro perfis quando o assunto é transformação digital. Veja quais são

Acelerados: buscam inovação e são pioneiros em adotar ou promover mudanças tecnológicas

Estáveis: estão prontos para adotar as mudanças tecnológicas propostas

Continua após a publicidade

Lentos: são mais inclinados a observar as transformações e a deliberar sobre elas do que agir

Parados: tendem a antecipar problemas e resistir a inovações tecnológicas propostas com base em riscos percebidos

Os Acelerados tendem a ser os pioneiros da inovação, e os Estáveis estão prontos para implementá-la. Os Lentos e os Parados são mais cautelosos diante de novidades, mas podem antecipar riscos. “Há grande mérito e sabedoria em questionar uma ideia e reservar um tempo para aprender com os fracassos do passado”, aponta o relatório.

Acelerados e Estáveis

Esses perfis tendem a…

Continua após a publicidade
  • Ser observadores de tendências
  • Buscar mudanças
  • Tentar tornar cada dia diferente
  • Comprometer-se com algo e manter o rumo
  • Ver seu trabalho como parte central de sua identidade
  • Sentir um forte senso de pertencimento à empresa
  • Desejar trabalhar para uma companhia que usa a tecnologia para inovar
  • Ver os obstáculos como um desafio a ser superado
  • Saber lidar com a ambiguidade e a pressão para agir com urgência
  • Gostar de aprender novas habilidades
  • Ter um propósito no trabalho

Lentos e Parados

Esses perfis tendem a…

  • Ver o trabalho como uma atividade da qual entram e saem
  • Perder o interesse rapidamente
  • Achar a mudança estressante
  • Precisar de mais tempo, apoio ou incentivo para mudar hábitos e aprender novas habilidades
  • Achar difícil se comprometer com uma tarefa de resultado incerto
  • Demonstrar preocupação de que a tecnologia possa substitui-lo

Maioria no Brasil está nos Estáveis

O levantamento mostrou que 48,5% dos profissionais brasileiros se identificam no grupo Estáveis. Ou seja, estão prontos para adotar novas tecnologias escolhidas pela empresa em que trabalham. Já 19,8% se consideram parte do grupo Acelerados — querem ser pioneiros em promover inovação na companhia.

“Vemos que os Acelerados são mais propensos a inovar; e os Estáveis, a adotar o progresso. Ter esses dois perfis profissionais dentro das organizações é essencial para criar uma cultura de criatividade e de inovação”, afirma Diego Puerta, presidente da Dell Technologies Brasil. “Mas cabe às lideranças acender essa chama em cada um deles e extrair o que há de melhor dessas pessoas.”

O estudo da Dell Technologies identificou também que 29,3% dos profissionais brasileiros se encaixam no grupo Lentos, inclinados a observar de maneira passiva as transformações decorrentes das novas tecnologias. O perfil Parados representa apenas 2,5% da força de trabalho brasileira pesquisada, que seriam mais resistentes e céticos em relação a mudanças.

“Na força de trabalho moderna, todos são bem-vindos. A chave é garantir que eles sintam isso também. Porque, com incentivo e autonomia suficientes, podem adotar as características dos estáveis ou dos acelerados”, indica o documento. “Na verdade, como é típico da maioria dos grupos de base comportamental, os limites entre um perfil e outro são porosos. As experiências de vida das pessoas geralmente moldam sua propensão à mudança, em graus variados ao longo do tempo. Portanto, uma pesquisa que mede o momento não é suficiente para determinar perfis. Os líderes precisam estar continuamente em sintonia com sua força de trabalho, pois a lealdade e o apoio podem mudar rapidamente. Para permanecerem relevantes, as estratégias de transformação devem responder às necessidades na mesma direção. Uma empresa só será capaz de capturar a imagem completa se reunir feedback de diversos pontos de vista.”

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.