Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Trabalho remoto pode virar direito garantido por lei na Holanda

O home office já é uma realidade para 14% dos trabalhadores no país. A diferença é que as empresas serão obrigadas a justificar eventuais recusas

Por Redação
Atualizado em 4 jan 2023, 11h14 - Publicado em 10 out 2022, 08h29
A

Holanda caminha para ser um dos primeiros países do mundo a tornar o trabalho remoto um direito garantido por lei. E isso pode acontecer a partir de janeiro de 2023, já que o parlamento aprovou a proposta apresentada em julho pelos políticos Steven van Weyenberg, do partido Democratas 66, e Senna Maatoug, do Partido Verde. Falta agora o senado avaliar a questão.

Se entrar em vigor, a medida, que conta com o apoio de sindicatos e empregadores, prevê que funcionários de companhias com dez empregados ou mais possam requerer a mudança para o modelo de trabalho à distância, respeitando alguns requisitos, como viabilidade em razão da função exercida. As empresas são obrigadas a avaliar cada caso e, se houver a recusa, justificá-la por escrito. Se aceito, o funcionário precisa se comprometer a exercer suas atividades dentro da União Europeia.

A legislação em análise estabelece que os pedidos devem ser feitos com dois meses de antecedência e o empregador precisa decidir até um mês antes da data pretendida para o início do modelo remoto. Se a companhia não responder nesse prazo, o pedido seria automaticamente aprovado. Para ter direito a solicitar a mudança, o funcionário precisa estar empregado há pelo menos 26 semanas antes da data solicitada — e, em caso de recusa, o profissional pode refazer o pedido após um ano.

A flexibilidade no trabalho não é assunto novo na Holanda. Mesmo antes da pandemia, 14% da força de trabalho já fazia home office, prática facilitada pela Lei do Trabalho Flexível, de 2016. Os profissionais do país já podiam solicitar a mudança para o modelo remoto. A diferença agora, se aprovada a medida, é que as companhias serão obrigadas a justificar por escrito os motivos da recusa.

No Brasil

No Brasil, atualmente, a iniciativa da modificação para o trabalho remoto não é regulada, apesar de a Reforma Trabalhista de 2017 ter inserido dispositivos sobre o tema na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Na ocasião, ela determinou que a passagem do trabalho presencial para o remoto depende de mútuo consentimento. “Qualquer uma das partes poderia tomar a iniciativa, mas nada aconteceria sem a concordância da outra parte”, afirma o advogado trabalhista Flávio Roberto Batista, professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. 

Continua após a publicidade

A reforma também determinou que o movimento contrário — a passagem do remoto para o presencial — pode ser feito de maneira unilateral pelo empregador, desde que respeitado o prazo de 15 dias. Para que a proposta holandesa fosse viável por aqui seria necessário mudar a legislação brasileira. “E a quantidade de postos de trabalho a que essa regra seria aplicável no Brasil é infinitamente inferior à da Holanda, em que o mercado de trabalho é muito mais concentrado em posições de alta qualificação e de trabalho intelectual”, diz Flávio.

Compartilhe essa matéria via:

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.