Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Empresas mantém feedback na pandemia, mas cobrança aumenta, diz pesquisa

Levantamento da Talenses mostra que 71% de respondentes tiveram algum tipo de feedback e 75% citam maior pressão durante a pandemia

Por Hanna Oliveira Atualizado em 11 dez 2020, 14h59 - Publicado em 14 dez 2020, 07h00

A Talenses, consultoria de recrutamento, realizou uma pesquisa com 140 empresas no Brasil para mapear como as companhias estão lidando com o feedback durante a pandemia. O levantamento foi realizado no mês de setembro deste ano. Os dados revelaram uma preocupação em manter sistemas de avaliação: 56% afirmam que os processos continuam como antes, mas de forma online.

Para Alexandre Benedetti, diretor executivo da Talenses, o número é muito positivo e demonstra capacidade de adaptação. “Como a pandemia já tem um tempo, já temos o como nos adaptar a esse modelo de relação. E esses processos continuam continuam com qualidade, precisamos apenas adaptar algumas questões”, explica.

  • Se o feedback se manteve, a cobrança cresceu: 75% dos participantes apontam que a pressão pelas metas aumentou. Para 52% isso veio acompanhado de  reuniões de acompanhamento semanais com gestores. As conversas são diárias para  23%. Um dos motivos para isso, segundo Alexandre, é a adaptação para o modelo de gestão online. “Estamos tendo que fazer muito mais esforço com menos recurso e isso gera um acúmulo de pressão. Agora trazemos isso para o mundo online. Em todas as crises que enfrentamos antes, tínhamos olho no olho. Houve e ainda está havendo uma adaptação do modelo de gestão”.

    Os dados da pesquisa corroboram essa visão: 41% dos participantes disseram que os gestores têm reportado à área de RH que estão com dificuldade de acompanhar o desenvolvimento dos profissionais por conta do trabalho remoto. Quando o assunto é meta, 51% afirmou que houve  algum tipo de mudança nos objetivos das equipes, tenham sido elas para 100% dos funcionários – que é o caso de 21% dos respondentes – ou parcialmente como apontaram 30%.

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

    Continua após a publicidade
    Publicidade