Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Desânimo geral: nível de engajamento cai pelo mundo e líderes são culpados

Estudo da consultoria ADP com mais de 27.000 pessoas em 25 países mostra que o engajamento está em queda e revela o impacto da liderança sobre o tema

Por Redação Atualizado em 29 jul 2021, 07h49 - Publicado em 30 jul 2021, 08h00

O engajamento diminuiu ao redor do mundo neste ano. É isso que revela um estudo da consultoria ADP com mais de 27.000 pessoas em 25 países, inclusive o Brasil. No primeiro estudo sobre o tema, feito em 2018, 17% dos profissionais se consideravam engajados. Em 2021, o índice caiu para 16%. Por “engajamento”, a ADP considera o estado mental que nos impulsiona a dar nosso melhor no trabalho.

Para Mariana Guerra, VP de RH da empresa na América Latina, esse resultado pode ter a ver com a liderança. “Quando o líder é totalmente engajado, 65% do seu time também é. Em contrapartida, quando não é, só 0,04% da equipe é engajada”, diz.

  • O Brasil vai na contramão do mundo e teve um aumento de quatro pontos percentuais saindo de 14% em engajamento em 2018 para 18% neste ano. “Atribuo isso à questão da confiança: um trabalhador tem 12 vezes mais probabilidade de ser totalmente engajado se ele confia em seu líder. No Brasil, há um movimento das empresas em se humanizar e isso reforça os vínculos”, diz Mariana.

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

    Publicidade