Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Carta da Redação: O excesso de trabalho disfarçado de sucesso

Líderes ocupados demais e funcionários que assumem mais funções do que deveriam têm se tornado comuns, mas podem revelar uma produtividade tóxica

Por Marcia Kedouk Atualizado em 14 dez 2021, 16h09 - Publicado em 3 dez 2021, 12h23

Diz a sabedoria popular corporativa que, quanto mais horas trabalhadas, maior a produtividade. Essa crença vem de muito tempo atrás — mais precisamente, do século 18, quando a Revolução Industrial trouxe inovações tecnológicas que reconfiguraram a economia e deram origem à produção em série e em massa. A partir dali, fazer mais com menos se tornou um mantra entoado com afinco desde a base até o topo da hierarquia nas empresas. Líderes ocupados demais para aproveitar o fim de semana e funcionários que assumem mais funções do que deveriam, muitas vezes por receio de perder o emprego, ajudaram a moldar o que os especialistas têm chamado de produtividade tóxica — ou, para os íntimos, excesso de trabalho disfarçado de sucesso.

Esse comportamento ganhou outra dimensão na pandemia, quando muita gente passou a atuar em home office. O limite entre o pessoal e o profissional foi esgarçado, senão rompido, e estar constantemente à disposição da empresa virou o novo normal. Mas isso não é novo nem é normal.

Produzir mais não necessariamente é fazer melhor. O que costuma resultar dessa dedicação extrema são a disparada dos casos de ansiedade, depressão e burnout, o esgotamento físico e mental que impede a realização de um bom trabalho, os afastamentos cada vez mais recorrentes por motivos de saúde, o sufocamento da criatividade e, portanto, da inovação. Perdem as pessoas, perdem as empresas.

Mas uma das boas lições que a passagem do tempo nos ensina é que erros trazem a oportunidade da mudança. Na matéria de capa desta edição, apontamos caminhos para combater a produtividade tóxica. E aqui vai um spoiler: essa não deve ser uma pauta apenas do RH, mas um assunto estratégico assumido pelo CEO e abraçado pelas lideranças e equipes. Só assim será possível abandonar conceitos arcaicos de gestão e disseminar outra máxima, esta, sim, importante e urgente: a de que o valor de um profissional não se mede pela quantidade de tarefas que ele consegue executar no dia.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês