Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Imagem Blog

Rafael Souto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

É CEO e fundador da Produtive Carreira e Conexões com o Mercado, consultoria de gestão, recolocação e transição de carreira, membro do conselho da AMCHAM e ministra palestras sobre carreira e liderança
Continua após publicidade

Só 4% consideram a promoção ao C-level um objetivo importante de carreira

Esse risco ao legado exige o desenho de um pool sucessório. O objetivo é evitar o risco de descontinuidade da estratégia de crescimento pela escassez de pessoas interessadas.

Por Rafael Souto, colunista da VOCÊ RH
4 dez 2023, 20h50

A continuidade de uma organização está diretamente ligada ao esforço de preparo e desenvolvimento de potenciais sucessores. No entanto, a maioria das empresas não tem criado políticas de sucessão eficientes. Uma pesquisa recente da consultoria Talenses mostrou um dado alarmante: apenas um terço das grandes empresas do país tem discussões estruturadas sobre sucessão organizacional.

Ao mesmo tempo em que as lideranças empresariais pouco tratam sobre o tema, a ambição pela sucessão anda à míngua no imaginário das novas gerações. Nos Estados Unidos, jovens da Geração Z vivem um momento de redefinição da ideia de sucesso, e um cargo estratégico na alta cúpula não soa mais como sinônimo absoluto de realização profissional.

Em uma releitura do termo quiet quitting, a revista Fortune definiu essa tendência (na perspectiva de liderança) como quiet ambition, a ambição silenciosa. Com metas profissionais voltadas à busca de satisfação e propósito na carreira, profissionais não buscam crescimento a qualquer preço, sobretudo quando o preço é seu tempo, sua saúde física e emocional.

Uma pesquisa divulgada em agosto deste ano pela plataforma de people analytics Visier confirma a potencial ameaça ao pipeline de liderança: só 4% dos mil funcionários entrevistados nos Estados Unidos consideram a promoção ao C-level um objetivo importante de carreira. Entre os respondentes, 62% preferem permanecer como estão, sem pessoas abaixo. Pouco mais de um terço demonstraram interesse genuíno em se tornar gestores de equipe.

A transformação comportamental que pode causar um gap de liderança é atribuída aos duros anos da pandemia, às 7 milhões de mortes em três anos e à mudança na visão de mundo e desenho de vida das pessoas.

Continua após a publicidade

Um novo mapa de sucessão

No Brasil, a ineficiência dos planos de sucessão pesa no descompasso entre o que as organizações precisam e os profissionais desejam. Um plano de sucessão não pode ser estruturado em um sequenciamento compulsório de cargos.

Nos treinamentos e workshops da Produtive para empresas, combatemos o engessamento e direcionamos no sentido de livre movimentação de talentos e flexibilização das estruturas.

Por isso, falamos em desenho de um pool sucessório para evitar o risco de descontinuidade da estratégia de crescimento pela escassez de pessoas preparadas ou interessadas.

Com as transformações no mundo do trabalho, o tema ganhou complexidade, não é mais linear, nem absoluto. O mapa de sucessão é um mapa de possibilidades em que a promessa de cargo deixa de ser viável.

Líderes devem estar aptos a preparar sucessores para a organização, e não apenas para as suas áreas, numa visão feudal obsoleta. Por essa razão, o caminho de uma organização para impulsionar talentos passa pelo fortalecimento da sua cultura de liderança. Processos estruturados de diálogos de carreira com foco nos interesses e habilidades dos colaboradores são uma solução para começar a redirecionar a organização para o tema.

Continua após a publicidade

A sucessão por cadeira acabou. A promessa ao potencial talento não é o cargo, e, sim, o plano de desenvolvimento envolvido na movimentação. O output do mapeamento deve ser a construção de um plano de desenvolvimento individual, o PDI. As empresas que investem nesse desenvolvimento têm índices menores de turnover, o estímulo à aprendizagem é um elemento-chave.

O protagonismo dos talentos mapeados é essencial nesse processo de ascensão de carreira como jornada personalizada. Defendo a comunicação aberta e franca: potenciais talentos devem saber que estão no pool de sucessão, sem, no entanto, a ilusão do direito adquirido.

Em tempos de quiet ambition e desinteresse pelos cargos de liderança, é preciso refletir sobre a flexibilização das estruturas no sentido de aumentar a atratividade da sucessão e promover um olhar mais apurado para talentos.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.