Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Imagem Blog

Vívian Rio Stella

Doutora em Linguística pela Unicamp. Idealizadora, curadora e professora da VRS Academy, pesquisa e desenvolve trabalhos voltados à lifelong learning
Continua após publicidade

Quem se engaja com o “corporativês”?

Discursos incoerentes com o cotidiano da empresa e palavras da moda, que nem todos entendem, afastam os colaboradores – e prejudicam a cultura.

Por Vívian Rio Stella, colunista da Você RH
22 Maio 2024, 09h06

Incentivar colaboradores a acessarem canais de informação corporativos e a participarem de campanhas na empresa é um desafio para o RH e o setor de comunicação, mas também para as lideranças.

Criam reuniões, uma variedade de layouts para comunicados, newsletters, redes sociais corporativas, podcasts. Tudo parece bem pensado. Mesmo assim, persiste a dúvida, em muitas empresas: como engajar as pessoas?

Que tal mudar de pergunta – e procurar entender por que as pessoas não se engajam? (Esta é uma questão complexa, e não pretendo solucioná-la nesta coluna. Talvez fosse preciso uma tese de doutorado. Mas, eis minha colaboração.)

Muitas vezes, as empresas usam expressões que estão na moda, visando à identificação do colaborador com determinada mensagem. Mas como será que frases motivacionais, do tipo “faça mais com menos” ou “seja resiliente”, soam para pessoas que lidam com equipes pequenas demais, orçamentos insuficientes e muita burocracia ao tocar um projeto? Elas parecem irônicas, pois estão distantes do cotidiano.

E como se conectar com profissionais que trabalham longe da sede, nas fábricas, se as campanhas internas, os brindes de ações corporativas e o discurso da diretoria combina com a realidade de quem trabalha… na sede?

Continua após a publicidade

Mesmo quando há pessoas dedicadas a considerar todos os perfis de colaboradores nas peças de comunicação interna, persistem temas e formatos mais jovens e extrovertidos, em detrimento de estilos que poderiam fugir do “corporativês” e gerar maior identificação.

Isso vale não só para os setores de RH e comunicação, mas também para as lideranças que microgerenciam: querem estar copiadas em todos os e-mails e presentes em todas as equipes do Teams, prontas para apontar erros e, consequentemente, minar a confiança dos colaboradores, pouco a pouco.

Tudo isso gera inseguranças, prejudica a identificação e, claro, acaba com o engajamento.

Mas, em vez de tentar entender o problema, muitas vezes os responsáveis pela comunicação corporativa culpam seus colegas. Dizem que “não adianta fazer campanha, porque ninguém liga”. Olham cases de sucesso, de outras empresas, e replicam. Evidenciam métricas de satisfação, mas não pensam em como podem contribuir para os objetivos, a reputação e, acima de tudo, a cultura da empresa.

Defendo, com base na minha experiência em diversas empresas, que escolher palavras e pautas que façam sentido para todos os colaboradores é uma das principais maneiras de conseguir um discurso corporativo mais coerente – e, consequentemente, gerar mais engajamento.

Continua após a publicidade

Isso pode ser mais ou menos desafiador de se colocar em prática a depender do tamanho, dos processos e da estrutura da organização. Mas é preciso ousar, ainda que em pequenos passos, para que a linguagem usada seja mais autêntica e mais distante do “corporativês”.

Compartilhe essa matéria via:

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.