Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Contratações intermitentes têm crescido com a crise

Desde 2017, com a reforma trabalhista, os trabalhadores intermitentes passaram a ter mais direitos: "é a legalização do antigo bico"

Por Letícia Furlan Atualizado em 29 mar 2022, 13h39 - Publicado em 29 mar 2022, 13h43
A

insegurança econômica vinda com a pandemia da covid-19 fez com que o modelo intermitente de trabalho crescesse. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), em 2020 aconteceram 189 mil admissões nesse modelo. Já em 2021, o número saltou para 271 mil. “Antes desse modelo de trabalho, as empresas contratavam por diária, quando precisavam, de forma totalmente informal. Outras utilizavam as cooperativas, que era algo semi-informal”, diz Arnaldo de Paula, gerente de operações e RH da Allis, empresa especializada nesse tipo de contratação. O executivo afirma que em dezembro de 2020 foram realizados 3.500 chamados para trabalhadores intermitentes por meio da companhia. No mesmo período de 2021, o número subiu para quase 19 mil — durante todo o ano, foram quase 136 mil chamados.

O modelo intermitente permite que o profissional seja chamado em dias e períodos estratégicos de maior demanda, sobretudo no varejo alimentar e de moda, e também no ramo logístico. Até a reforma trabalhista, aprovada em 2017, não havia um respaldo legal para esse tipo de contratação. Hoje, o funcionário intermitente deve ser contratado com carteira assinada, mas seu salário será proporcional ao período trabalhado, tendo direito a férias, FGTS, contribuição ao INSS e 13º salário proporcional.

Segundo Arnaldo, a área da moda contrata de forma intermitente porque os picos de venda acontecem aos sábados e domingos e, por isso, não há a necessidade de uma mão de obra sequencial. No ramo logístico, o mesmo acontece: há maior volume de entregas em determinados dias da semana. Já outras empresas podem optar pelo modelo temporário, como é o caso de lojas de varejo que aderem à Black Friday, contratando pessoas de novembro até o Natal.

Para 2022, a expectativa é que os números se mantenham altos. “Ainda enfrentamos uma instabilidade econômica e, muitas vezes, o empregador não precisa ou não consegue contratar funcionários durante todo o mês. Então, o modelo torna possível a negociação da contratação por demanda”, finaliza Arnaldo.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

App VOCÊ RH para celular e tablet, atualizado mensalmente

a partir de R$ 12,90/mês