Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Novelis tem 50% de mulheres na alta liderança e primeira VP de operações

Roberta Soares é a primeira vice-presidente de operações na América do Sul e lidera a maior fábrica de laminagem e reciclagem de alumínio da região

Por Elisa Tozzi Atualizado em 20 abr 2021, 21h50 - Publicado em 24 abr 2021, 08h00

Fabricante de lâminas e recicladora de alumínio, a Novelis conquistou uma meta importante em sua filial brasileira: 50% das cadeiras de vice-presidência são ocupadas por mulheres que respondem diretamente ao presidente da companhia. O índice se tornou possível com a chegada de Roberta Soares à vice-presidência de operações na América do Sul — a primeira mulher a assumir esse cargo na região.

Com uma carreira de 21 anos na Novelis, Roberta já passou pelas áreas de reciclagem, estratégia, comercial, marketing e, antes de ir para operações, era vice-presidente de finanças. Em seu novo cargo, a executiva vai liderar a fábrica de Pindamonhangaba, no interior de São Paulo, que se tornará a maior da América do Sul para reciclagem e laminagem.

Em entrevista para VOCÊ RH, ela detalha seus desafios e aprendizados em tempos de pandemia.

Quais são os seus grandes desafios à frente das operações da Novelis em um período de pandemia?

Chego a essa função em um momento em que a expansão da nossa fábrica de Pindamonhangaba (SP) está em vias de ser concluída: a previsão é julho. A planta já é o maior centro de laminação e reciclagem de alumínio da América do Sul e, com a expansão, a Novelis reforça seu compromisso de atender à crescente demanda dos mercados de latas para bebidas e especialidades. A capacidade total da fábrica chegará a 680.000 toneladas/ano para produção de laminados (chapas de alumínio) e a 490.000 toneladas/ano em reciclagem. E serei responsável por toda essa operação, incluindo o desafio do crescimento da produção, nossas metas de longo prazo e a gestão dos cerca de 1.300 profissionais.

Tenho experiência em diversas áreas da empresa, como finanças, estratégia e reciclagem. Operações é uma área completamente nova para mim e o cotidiano na linha de frente será muito diferente do que eu vinha cumprindo até aqui. No entanto, essa movimentação representa um passo importante na carreira e estou sempre aberta para as oportunidades e desafios.

  • Que lições de liderança ou gestão você aprendeu com a covid-19?

    O nível de estresse da equipe aumentou, especialmente nos primeiros meses, em que havia pouca informação sobre o tema. Fomos mudando a governança das equipes, fazendo checkpoints diários, sempre agindo com o máximo de transparência e focando nas prioridades com o objetivo de não trazer mais estresse do que já tínhamos.

    Continua após a publicidade

    O ponto-chave foi entender que precisávamos, antes de qualquer coisa, acolher as pessoas. Para isso, estimulei os líderes de equipes a conversarem com seus times com maior frequência, com o objetivo de agilizarmos a transmissão das informações, e ao mesmo tempo, para que se sentissem próximos. Era o momento para atualizar sobre o negócio, repassar as informações sobre segurança, trazer reconhecimentos focados nos times, nas pessoas individualmente ou em ações coletivas. Essas ações de aproximação foram importantes para nos ajudar a manter a conexão das pessoas com a cultura da empresa.

    Nesse momento, a Novelis atingiu a equidade de gêneros nas posições que reportam diretamente ao presidente. Como enxerga essa conquista?

    É um marco muito importante, especialmente se considerarmos que foi atingido a partir da ocupação por uma mulher em uma posição, onde, historicamente, tem prevalecido os homens. Com isso, mostramos que todas as posições podem ser ocupadas por qualquer gênero e as mulheres terão cada vez mais exemplos. Além disso, é muito gratificante ter essa oportunidade agora, como resultado do bom trabalho desenvolvido durante tantos anos na Novelis. E ao mesmo tempo, é estimulante poder contribuir para o crescimento da empresa, em pleno projeto de expansão da fábrica.

    É uma honra ser a primeira mulher nesse cargo na América do Sul, poder levar uma nova visão para a área historicamente dominada por homens e estar contribuindo para uma sociedade e mundo corporativo mais justos e equilibrados para todas as pessoas, independentemente de gênero.

    O que ainda é necessário fazer para ampliar as oportunidades para mulheres nas empresas em geral e em setores mais masculinos, como os de operação?

    Espero que o trabalho essencial que empresas como a Novelis vêm fazendo, de valorizar a diversidade no ambiente de trabalho e estabelecer metas para isso, inspire a sociedade como um todo. Acredito que todas as pessoas devem ser avaliadas por suas entregas e competências, independentemente de ser mulher ou homem. No entanto, enquanto isso ainda não acontece naturalmente, a promoção do debate por parte das empresas e de iniciativas de conscientização sobre a igualdade de oportunidades para todos são fundamentais e urgentes.

    Um bom exemplo nessa direção é o programa IguAl, implementado pela Novelis na América do Sul em novembro de 2017, que visa a fomentar um ambiente mais inclusivo, valorizando as competências e habilidades de cada profissional independentemente de gênero, raça, idade, religião e orientação sexual. Um dos projetos abraçados pelo IguAl é o Programa Capacitar, que oferece oportunidades de desenvolvimento e capacitação profissional a moradores de Pindamonhangaba e regiões adjacentes. No segundo semestre do ano passado, a iniciativa realizou cursos gratuitos com formações em ponte rolante e empilhadeira exclusivos para mulheres, em parceria com o SENAI da cidade. O projeto deu a oportunidade de formação para 30 mulheres. O curso foi fundamental porque levamos formação específica para um grupo que ansiava por isso, mas não encontrava oportunidade. Nós também nos beneficiamos porque vamos priorizar essas candidatas para ocupar posições nessas áreas. A iniciativa não foi por acaso, afinal, uma de nossas metas é aumentar a equidade de gêneros nas áreas operacionais.

    Cultivar a diversidade e a inclusão é um compromisso que traz benefícios a todos, pois valorizamos as pessoas de forma igual e buscamos as mais diferentes e importantes culturas e pontos de vista, transformando isso tudo em valiosos aprendizados para o negócio e para a nossa vida.

    Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

    Continua após a publicidade
    Publicidade