Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Itaú passa por transformação e cria cultura Ituber

Sergio Fajerman lidera mudança cultural no Itaú Unibanco e defende que valores têm que virar práticas diárias

Por Alvaro Bodas Atualizado em 4 ago 2022, 17h37 - Publicado em 5 ago 2022, 07h36
M

udar os valores de uma organização, ou qualquer aspecto ligado à sua cultura, não é tarefa fácil. Ainda mais quando se trata do maior banco da América Latina, com mais de 100 mil colaboradores no Brasil e no exterior. Mesmo assim, esse foi o caminho escolhido pelo Itaú Unibanco em seu mais recente processo de transformação cultural, que reforçou elementos como inclusão, aprendizado contínuo e colaboração, somados a conceitos já estabelecidos, como ética, centralidade no cliente e foco em resultados.

À frente da iniciativa está Sergio Fajerman, diretor e membro do comitê executivo responsável pela área de pessoas. Depois de atuar como piloto de avião comercial na Varig por cerca de dez anos, Sergio investiu em sua formação executiva, incluindo um MBA na INSEAD, na França. Chegou ao banco em 2005 e, entre outras funções, foi diretor de gestão corporativa de pessoas e diretor de pessoas da Diretoria Geral do Atacado, e é representante do Itaú Unibanco na Comissão de Recursos Humanos da Febraban.

Ele conta que já passou por grandes transformações culturais na instituição, uma delas entre 2008 e 2009, durante a fusão com o Unibanco. “Na época, aparentemente não havia grandes diferenças entre as culturas, mas, olhando de perto, vimos que havia detalhes e nuances. A integração foi muito bem-sucedida, e depois de dois anos ninguém percebia a fusão. Em 2015 fizemos um reajuste dessa cultura e agora estamos promovendo um grande reforço interno para atender às exigências dos nossos clientes em relação à qualidade, velocidade, novas plataformas e tecnologias.”

O desafio

O processo começou em maio de 2021 com o diagnóstico e a definição dos atributos culturais, e a comunicação ocorreu em maio de 2022.

Assinante: leia a reportagem no app ou no Go Read

Compartilhe essa matéria via:

Este trecho faz parte de uma reportagem da edição 81 (agosto/setembro) de VOCÊ RH. Clique aqui para se tornar nosso assinante

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês