Assine VOCÊ RH por R$2,00/semana
Continua após publicidade

99% dos líderes do Laboratório Sabin são prata da casa

Cerca de 5% do faturamento do Sabin são investidos na formação do quadro da empresa

Por Daniela Diniz
Atualizado em 5 dez 2020, 20h49 - Publicado em 26 mar 2013, 17h18

Brasília (DF) – Fundado em 1984 por Janete Vaz e Sandra Costa, o Laboratório Sabin deixou de ser referência em medicina diagnóstica apenas da capital federal, onde nasceu. A empresa — ainda comandada pelas duas sócias — cresceu e hoje domina o Centro-Oeste, com nove unidades em Goiás e uma em Tocantins, além de já marcar presença na Bahia, em Minas Gerais, no Amazonas e no Pará.

A meta é ocupar 70% dos estados brasileiros até 2020. De forma estruturada e sustentável, o Sabin cresce sem perder seus valores e sua robusta gestão de pessoas, o que o mantém há oito anos entre as melhores empresas para trabalhar (e há dois como a melhor em serviços de saúde).

Seus funcionários garantem que o crescimento da rede só motiva, pois aumenta também as oportunidades de movimentação. A estratégia é contratar profissionais das cidades para onde está indo, mas levar sempre dois funcionários para disseminar sua cultura. E o rebuliço interno é grande quando a turma fica sabendo da abertura de uma nova unidade.

Como há muita gente de outros estados em Brasília, o que não falta são candidatos a migrar com o laboratório e ter a oportunidade de voltar para casa. Com essa possibilidade cada vez maior e com o aumento da flexibilidade de horários, o Sabin conseguiu reduzir seu turnover de 11% para 6% entre 2010 e 2011.

Continua após a publicidade

No ano passado, movimentou mais de 30 pessoas pelo recrutamento interno e promoveu mais de 100 profissionais. Com uma política de carreira bem desenvolvida, o laboratório está atento em formar sucessores para manter um número surpreendente: 99% de seus líderes foram formados internamente. Leia-se formados literalmente, já que, além de aprender os valores, o Sabin investe 5% do seu faturamento no desenvolvimento dos funcionários.

Além dos inúmeros treinamentos internos, a empresa oferece bolsas de estudo, que variam de 50% a 80% do valor do curso. No ano passado, só de bolsa foi aplicado quase meio milhão de reais. O retorno desse investimento é percebido na ponta, pelos clientes. “O atendimento nesse laboratório é tão bom que até fazer exame de sangue se torna gostoso”, diz um morador de Brasília. 

PONTO(S) POSITIVO(S) PONTO(S) A MELHORAR
Além da boa comunicação e do fácil acesso aos líderes (especialmente às sócias), a empresa investe 10% do seu faturamento em gestão ambiental. A informalidade nas relações às vezes prejudica o andamento do trabalho. Para alguns, o crescimento do laboratório exige processos mais formais.
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

As empresas estão mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VOCÊ RH.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Você RH impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.