Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como demitir no home office?

A demissão é um momento desafiador e no home office as dificuldades aumentam. Saiba como conduzir o processo com empatia e transparência

Por Hanna Oliveira Atualizado em 14 abr 2021, 09h02 - Publicado em 14 abr 2021, 08h00

Há mais de um ano o ambiente corporativo é sinônimo de telas, videoconferências e pouca ou nenhuma interação humana presencial. A necessidade de adaptação ao novo cenário aumenta. Por isso, gestores precisam criar novas abordagens como o feedback remoto,  por exemplo, para garantir o desenvolvimento das equipes e, também, pensar em como conduzir processos de demissão sem contato presencial – o que é bastante desafiador, pois a linguagem corporal fica mais restrita. “Perdemos essa coisa do olho no olho. Não falamos só com a nossa voz, falamos com o corpo, com as expressões”, diz Jacqueline Resch, fundadora da Resch RH, consultoria estratégica de recursos humanos. 

A demissão, por si só, é delicada e o processo fica ainda mais sensível quando intermediado pelas máquinas – entenda o que fazer nesse momento. 

Demissão não é hora de feedback 

Um erro ainda cometido por muitos líderes é tentar dar feedback no momento da demissão. O correto é fazer esse processo antes, deixando claro ao funcionário o que pode ser melhorado em sua performance e o que não está indo bem. “A demissão precisa ser resultado de várias conversas. Esse seria o ideal: que a demissão fosse um momento em que aquelas duas pessoas, o líder e seu colaborador, chegaram à conclusão de que tudo foi tentado, mas não deu”, diz Jacqueline.

De acordo com a especialista, o momento da demissão é doloroso para ambas as partes e, por isso, não é ocasião para se rever o que foi feito. A demissão já deveria ser a decisão final de uma tentativa de recuperação longa. “Os líderes também sofrem nesse momento e se questionam: o quanto foram claros nos feedbacks, se deveriam dar oportunidade ou não. Aquele gosto de fracasso existe para ambos os lados. De qualquer forma, não acho que é o momento de ficar discutindo, porque pressupõe que isso já foi feito”, diz a consultora.

Continua após a publicidade

Sem tempo para suspense

O trabalho remoto que vivemos é rodeado por um ambiente de crise em que os membros de uma família estão confinados no mesmo espaço, limitando a possibilidade de privacidade, dependendo das condições de moradia. Por isso, a demissão remota não dá tempo para “suspenses”. Para Jacqueline, é importante pedir uma conversa privada com o funcionário em que ele encontre um lugar com poucas possibilidades de ser interrompido.

“Quanto menor o tempo entre o pedido da conversa e a conversa em si, melhor. Se for possível, marcar logo em seguida. Preferencialmente, faça isso de câmera aberta, num ambiente privado e previna o colaborador de que vocês vão precisar de um tempo mais longo e que se possível, que ele não seja interrompido”, afirma Jacqueline.

Empatia, mas sobretudo, objetividade

Por si só, a demissão já requer sensibilidade. Some-se a isso o contexto atual e a necessidade de empatia na comunicação aumenta. “É um momento de muito emoção, de susto, com palavras que exigem cuidado e empatia”, diz Jacqueline. 

Mas além da empatia, é preciso assertividade. “Ter objetividade para entender que não é hora de prolongar essa conversa”, diz Jacqueline. A objetividade, claro, não impossibilita de falar sobre questões  importantes, como por exemplo, qual a natureza daquela demissão (se é por causa da crise ou pela performance individual do funcionário), qual o contexto de vida dele e quais os benefícios que a empresa oferecerá. 

O gestor deve ter tudo isso em mente antes de marcar a conversa. “A comunicação precisa ser clara e dizer quanto tempo a pessoa ainda fica na empresa, como vai funcionar o processo de demissão, quais benefícios a empresa está dando, se vai perder o plano médico por um tempo num momento em que está tudo tão vulnerável em relação à saúde”, afirma Jacqueline. 

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de VOCÊ RH? É só clicar aqui para ser nosso assinante.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue no caminho para se tornar uma referência. Assine VC RH e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da VOCÊ RH! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Pautas fundamentais para as lideranças de RH.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

Receba todo bimestre a VOCÊ RH impressa mais acesso imediato às edições digitais no App VOCÊ RH, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VOCÊ RH, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Cobertura de cursos e vagas para desenvolvimento pessoal e profissional.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)